Modelo Projeto Pesquisa

Modelo Projeto Pesquisa

(Parte 1 de 2)

Cadernos Acadêmicos Ritter dos Reis, 4

Organização

Célia Elizabete Caregnato

Cláudio Maraschin

José Luiz Nunes

Jorge Thums Rejane Pivetta de Oliveira

Projeto de Pesquisa

Porto Alegre 2004

Caregnato, Célia Elizabete (org.) C271p

Projeto de pesquisa. /Célia Elizabete

Caregnato, Cláudio Maraschin; José Luiz Nunes; Jorge Thums, Rejane Pivetta de Oliveira - Porto Alegre: Editora Ritter dos Reis, 2004

(Coleção Cadernos Ritter dos Reis, 4) 34p.

1. Pesquisa 2. Metodologia 3. Projeto de Pesquisa. I. Título

Ficha catalográfica elaborada por Hilda Maria Fiuza Abras Reinehr - CRB 1182/10

CADERNOS ACADÊMICOS RITTER DOS REIS, 4

Editoração Eletrônica Cláudia Silveira Rodrigues

Revisão Rejane Pivetta de Oliveira

Capa Estúdio de Design Gráfico - UniRitter

Reitor Flávio Romeu D’Almeida Reis

Vice-Reitora Hélvia Lúcia Krüger dos Reis

Pró-Reitora de Ensino Beatriz Tricerri Felippe

Pró-Reitor de Pesquisa e Extensão Vitor Francisco Schuch Jr

Diretora Administrativa Ivelone Nagel Reis

Entidade Mantenedora

Sociedade de Educação Ritter dos Reis Praça XV de novembro, 6 conj. 802

Fone/fax: (51) 3228.20 CEP 90020-080 - Porto Alegre/RS

Sede em Porto Alegre - Rua Orfanotrófio, 5 -

Alto Teresópolis

Fone: (51) 3230.3 - Fax: (51) 3230.3317 - ritter@ritterdosreis.br

Unidade em Canoas: Rua Santos Dumont, 8 - Niterói

Fone: (51) 464.2000 - Fax: (51) 464.2005 - direito@ritterdosreis.br w.ritterdosreis.br

INTRODUÇÃO9
1 O QUE É PESQUISA ACADÊMICA1
2 A PESQUISA NA INSTITUIÇÃO13
3 PROJETO DE PESQUISA15
3.1 Dados de identificação15
3.2 Tema15
3.3 Problema15
3.4 Definição de termos do problema16
3.5 Hipóteses ou questões de pesquisa16
3.6 Objetivos16
3.7 Justificativa17
3.8 Abordagem teórica17
3.9 Metodologia18
3.10 Cronograma19
3.1 Orçamento19
3.12 Referências bibliográficas20
3.13 Bibliografia consultada20
4 BIBLIOGRAFIA COMENTADA23
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA S31
1 ANEXO A - Roteiro de Plano de Atividades BIC3
2 ANEXO B - Roteiro de Relatório de Atividades BIC34

APRESENTAÇÃO INTRODUÇÃO 1 O QUE É PESQUISA ACADÊMICA 2 A PESQUISA NA INSTITUIÇÃO

3 PROJETO DE PESQUISA 3.1 Dados de identificação 3.2 Tema 3.3 Problema 3.4 Definição de termos do problema 3.5 Hipóteses ou questões de pesquisa 3.6 Objetivos 3.7 Justificativa 3.8 Abordagem teórica 3.9 Metodologia 3.10 Cronograma 3.1 Orçamento 3.12 Referências bibliográficas 3.13 Bibliografia consultada

4 BIBLIOGRAFIA COMENTADA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANEXOS 1 ANEXO A - Roteiro de Plano de Atividades BIC 2 ANEXO B - Roteiro de Relatório de Atividades BIC

Entendemos por pesquisa a atividade básica da Ciência na sua indagação e construção da realidade. É a pesquisa que alimenta a atividade de ensino e a atualiza frente à realidade do mundo. Portanto, embora seja uma prática teórica, a pesquisa vincula pensamento e ação. Ou seja, nada pode ser intelectualmente um problema, se não tiver sido, em primeiro lugar, um problema da vida prática. As questões da investigação estão, portanto, relacionadas a interesses e circunstâncias socialmente condicionadas. São frutos de determinada inserção no real, nele encontrando suas razões e seus objetivos1.

O conhecimento científico desenvolvese com base na prática de pesquisas que adotam procedimentos metodológicos rigorosos. Para além do rigor formal, porém sem dispensá-lo, esse tipo de conhecimento sempre contou com importante dose de ousadia e de criação por parte daqueles que o produzem.

O presente caderno trata de um roteiro sobre como organizar a fase inicial da investigação científica: a elaboração de um projeto de pesquisa. O investigador poderá inspirar-se nele para transformação de uma preocupação ou dúvida em indagação intelectualmente elaborada.

MINAYO, Maria C. de S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 1994, p. 17.

O presente Caderno de Pesquisa tem por finalidade orientar estudantes de graduação e de pós-graduação na elaboração de projetos de pesquisa. O roteiro proposto é resultado do estudo de um grupo de professores do UniRitter, objetivando contemplar diretrizes do método científico e necessidades concretas das áreas do conhecimento e dos cursos na Instituição.

O caderno está organizado em quatro partes. As duas primeiras partes tratam, com brevidade, de características fundamentais da pesquisa acadêmica, bem como da pesquisa na Instituição. A terceira parte apresenta o roteiro para elaboração de projeto de pesquisa. Na quarta parte, sugere-se uma bibliografia comentada sobre a pesquisa científica e sobre a elaboração de projetos.

Por fim, são apresentados dois anexos. O ANEXO A contém o Roteiro para elaboração de Plano de Atividades do Bolsista, quando a Bolsa de Iniciação Científica – BIC - for derivada de um projeto de pesquisa docente. O ANEXO B expõe o Roteiro para elaboração de relatório de atividade de Iniciação Científica, para casos em que esta for

10 O Regulamento da Pesquisa Institucional/UniRitter esclarece que a atividade de Iniciação Científica pode ser de iniciativa docente ou de estudantes, orientada, respectivamente, por Professores na condição de Pesquisadores ou de Tutores. No primeiro caso, o projeto de pesquisa deve ter sido proposto pelo docente e o estudante participa com base no Plano de Atividades específico. No segundo caso, o estudante propõe a problemática de pesquisa, elaborando um projeto que tem por base o roteiro apresentado neste Caderno.

oriunda de um projeto docente ou para situações em que a iniciativa for do estudante2.

A pesquisa acadêmicaé a que tem por
base o métodocientífico e caracteriza-se pela

1 O QUE É PESQUISA ACADÊMICA? produção desenvolvida na instituição universitária (academia). Esse tipo de pesquisa definese como um processo de busca de conhecimento a partir de instrumentos e metodologias, com a função de qualificar ou acrescentar novos conhecimentos e pontos de vista sobre determinados aspectos da realidade, tomados como problemas de investigação.

A atividade de pesquisa científica, utilizada como princípio educativo, pode ser um recurso para a produção de aprendizagens em sala de aula, desenvolvendo a compreensão de disciplinas e conteúdos. Pode resultar em relatórios, monografias, ensaios, entre outras modalidades, qualificando o conhecimento acadêmico do estudante.

Por outro lado, a pesquisa científica envolve, precipuamente, a investigação sistemática, exigindo aprofundamento teórico-metodológico, com vistas a responder determinadas questões que se oferecem como problemas à compreensão de um fenômeno da realidade. Ela é uma atividade fundamental para construção de conhecimentos novos e para o ensino.

2 A PESQUISA NA INSTITUIÇÃO

O UniRitter investe na pesquisa porque entende que a vida acadêmica cresce em qualidade quando vincula ensino, pesquisa e extensão. A pesquisa qualifica o ensino, juntamente com a extensão, tornando-o Educação Superior, já que ensinar é também construir conhecimento.

A pesquisa no UniRitter é desenvolvida em convergência com os focos dos cursos3 de graduação e de pós-graduação. Os docentes pesquisadores e os estudantes, na condição de bolsistas de Iniciação Científica, desenvolvem atividades de pesquisa em torno de temas que contribuem para o aprimoramento da atividade de ensino na Instituição.

A atividade de pesquisa na Instituição está organizada em três modalidades, que possuem como referencial comum a idéia de pesquisa acadêmica. Pratica-se a pesquisa docente, a iniciação científica e a pesquisa vinculada ao ensino. A primeira consolida-se através de linhas de pesquisa e dá continuidade à explo- Foco do curso é o núcleo aglutinador em torno do qual se organizam os conhecimentos privilegiados pelo curso e articulados entre si, os quais relacionam-se diretamente com o projeto pedagógico do curso.

ração de temáticas e metodologias que proporcionam conhecimentos novos.

A iniciação científica permite a formação inicial do estudante na prática de pesquisa. É vinculada ao projeto de pesquisa docente ou, num segundo tipo, pode ser proposta pelo estudante, desde que esteja vinculada a atividades de ensino desenvolvidas no curso de graduação. Nesse caso, o orientador poderá ser um professor-tutor.

A pesquisa vinculada ao ensino é desenvolvida no âmbito da sala de aula e é entendida como um princípio educativo e de construção de conhecimentos por parte do estudante. Nesse caso, privilegia-se o uso de metodologias e de recursos da pesquisa acadêmica para as atividades propostas em sala de aula, culminando com prática de investigação e relatos sobre o objeto investigado. A realização das três modalidades de pesquisa permite avanços expressivos na vida acadêmica da Instituição.

3 PROJETO DE PESQUISA

Na seqüência são apresentados os elementos básicos que compõem um projeto de pesquisa.

3.1 Dados de Identificação

Título Autor

Curso

3.2 Tema ou assunto3.2 Tema ou assunto3.2 Tema ou assunto3.2 Tema ou assunto3.2 Tema ou assunto

A definição do tema é de fundamental importância para dar o foco da investigação. A partir da escolha do tema e sua posterior delimitação a pesquisa passa a tomar corpo e estrutura.

A delimitação do tema é o enquadramento do mesmo nas suas possibilidades operacionais. Quanto mais delimitado o tema, mais factível se torna e todo o desenvolvimento posterior da pesquisa flui positivamente.

3.3 Problema

Também conhecido como ‘questão de pesquisa’, o problema é o cerne da investiga- ção. Tudo passa pela resposta ao problema. Entretanto, formulá-lo não é fácil, é preciso ter conhecimento preliminar do tema. Para formular uma ‘questão de pesquisa’ é preciso, naturalmente, conhecer o assunto para, inclusive, formular as hipóteses que potencialmente vão responder ao problema. Para tanto, o conhecimento bibliográfico do tema é indispensável, bem como a indicação da teoria que guiará a investigação.

3.4 Definição de termos do problema

Esclarece o significado dos termos do problema, tomando por referência a abordagem teórica.

3.5 Hipóteses ou questões de pesquisa

As hipóteses, mais utilizadas na pesquisa quantitativa, são prováveis respostas ao problema. As questões de pesquisa, próprias dos estudos qualitativos, são perguntas desdobradas a partir do problema formulado.

3.6 Objetivos

Dividem-se em geral e específicos. Referem-se ao rumo da pesquisa ao indicar o que se pretende investigar. O objetivo geral tem uma visão panorâmica de todo o processo a ser percorrido. Já os objetivos específicos, dado o seu pluralismo, ocupam-se dos detalhes que, bem conduzidos, auxiliam nas respostas ao problema de pesquisa.

3.7 Justificativa

A justificativa esclarece por que fazer a pesquisa e até onde ela pretende chegar. Justificar significa elencar as razões que nos levam a estudar algo, tendo como referência os motivos individuais, os de interesse da ciência e os de relevância social. Apresenta a discussão da viabilidade operacional para o desenvolvimento do projeto.

3.8 Abordagem teórica

A teoria consiste em um conjunto de afirmações e princípios a partir dos quais algum objeto pode ser compreendido de forma ampla e coerente. A teoria está ligada à metodologia, pois orienta o caminho da análise e, em grande medida, condiciona os resultados, embora não possa ser encarada como a explicação completa e definitiva sobre aquilo que se investiga. Ao contrário, a teoria é um instrumento que serve para questionar, problematizar, descobrindo sempre novos ângulos de abordagem do objeto. Situar-se claramente dentro de uma campo de referência teórica é importante ao pesquisador para que saiba das possibilidades e dos limites de sua investigação.

3.9 Metodologia

A metodologia define o tipo de pesquisa que se pretende fazer e os pressupostos teórico-metodológicos que se pretende utilizar, estabelecendo o seu delineamento. É fundamental que a revisão bibliográfica já esteja concluída para que a abordagem metodológica da pesquisa fique bem encaminhada. Deve-se ligar o suporte teórico-metodológico às técnicas que permitam a coleta de informações e a sua análise. Além disso, é necessário indicar as fontes primárias (população, amostra, corpus, etc.), ou seja, onde são coletados os dados e quais os instrumentos a ser utilizados na busca e na análise dos mesmos. Questionários, roteiros para entrevistas e para observações, ainda que preliminares, devem ser anexados ao projeto.

Levantamento e revisão da bibliografia

Elaboração dos instrumentos de pesquisa

Coleta de dados

Análise e discussão dos dados

Redação do relatório

Redação final

Ano MarAbr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez

3.10 Cronograma

Delineia a seqüência da investigação, mostrando procedimentos e períodos de execução, conforme o modelo abaixo.

3.1 Orçamento

O orçamento é a relação dos recursos técnicos, materiais e humanos, bem como dos serviços necessários à pesquisa. Os recursos materiais devem ser apresentados em três categorias: materiais permanentes; materiais de consumo e serviços. São materiais permanentes: livros, máquina fotográfica e gravadores, utensílios de desenho, softwares, equipamentos de informática, etc. Materiais de consumo: papéis necessários para impressões, cartuchos de tinta para impressora, filmes fotográficos, pastas, arquivos, canetas, etc. Serviços: cópias, encadernações, impressos gráficos, despesas de locomoção e estadia, etc.

Os recursos humanos também devem ser listados: número de integrantes, número de horas dedicado à pesquisa, passando por outros serviços que, porventura, sejam necessários (tradução, digitação, consultoria de profissionais de áreas diversas, etc.).

3.12 Referências bibliográficas

São as referências citadas no texto do projeto. As regras segundo as quais as obras são referenciadas obedecem à orientação da ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas – e constam no Manual de Normalização do UniRitter.

3.13 Bibliografia consultada

Lista de fontes bibliográficas que inspiram a proposta de pesquisa e que poderão ser usadas no desenvolvimento da mesma.

4 BIBLIOGRAFIA COMENTADA

CAMPELLO, Bernardete Santos; CEDÓN, Beatriz Valadares; KREMER, Jeanette Marguerite. Fontes de Informação para Pesquisadores e Profissionais. Belo Horizonte: Ed UFMG,

É uma obra de cunho técnico e com informações bastante importantes sobre pesquisa, bibliografia especializada e leitura científica. É recomendada para pesquisadores mais experientes e no final do livro há uma importante e útil relação de sites de pesquisa de instituições especializadas no mundo inteiro.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro Alcino. Metodologia Científica. 4. ed. São Paulo:

McGraw-Hill do Brasil, 1996.

Apresenta as noções fundamentais para a elaboração de projetos de pesquisa, numa visão simplificada e prática. Livro bastante usado na graduação pela sua condição simples de apontar os elementos essenciais da estrutura da pesquisa.

ECO, Humberto. Como se faz uma Tese. São Paulo: Perspectiva, 1988.

Obra clássica da metodologia para a elaboração de trabalhos de pesquisa, monografias, dissertações, teses e projetos bibliográficos ou outros da mesma natureza. Leitura indispensável para quem quer apro- fundar-se no conhecimento científico.

EINSTEIN, Albert. Como vejo o mundo. 15. ed. Rio de Janeiro : Nova Fronteira, 1981.

Aponta a sua concepção teórica acerca de vários temas fundamentais do conhecimento científico. Abre os horizontes da concepção da própria pesquisa e da construção do conhecimento.

FREIRE-MAIA, Newton. A ciência por dentro. Petrópolis: Vozes, 1991.

Obra de muita importância, pois discute as diferentes concepções do que significa ciência. Apresenta a estrutura do conhecimento científico e suas mais diver- sas concepções.

GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 14. ed. Rio de Janeiro : Fundação Getúlio Vargas, 1989.

(Parte 1 de 2)

Comentários