As Fábulas de Esopo

As Fábulas de Esopo

(Parte 1 de 4)

- As Fábulas de Esopo -

Adaptação Joseph Shafan

Joseph Shafan

As Fábulas de Esopo

Adaptação: Joseph Shafan

Baseado na edição em língua portuguesa:

"Fabulas de Esopo - com applicações moraes a cada fabula" - 1848 - Paris, Typographia de Pillet Fils Ainé [domínio público em http://pt.wikisource.org] shafan@uol.com.br http://www.recantodasletras.com.br/autores/shafan

2008 A. José C. Coelho ajcavalcanticoelho@gmail.com

- As Fábulas de Esopo -

Esta edição foi possível pelo carinho de minha mulher Hideli.

Joseph Shafan

Dedicada à minha pequena filha Leticia, à minha neta Elis [de meu filho David e sua mulher Flavia] e à minha neta Yasmin [de meu filho

Alecsander e sua mulher Paula].

- As Fábulas de Esopo -

O Galo e a Pérola

Um galo, que ciscava no terreiro para encontrar alimento, fossem migalhas, ou bichinhos para comer, acabou encontrando uma pérola preciosa. Após observar sua beleza por um instante, disse: - Ó linda e preciosa pedra, que reluz seja com o sol, seja com a lua, ainda que esteja num lugar sujo, se te encontrasse um humano, fosse ele um construtor de jóias, uma dama que gostasse de enfeites, ou mesmo um mercenário, te recolherias com muita alegria, mas a mim de nada prestas pois que é mais importante uma migalha, um verme, ou um grão que sirvam para o sustento. Dito isto, a deixou e seguiu esgravatando para buscar conveniente mantimento.

Joseph Shafan

O Lobo e o Cordeiro

Em um pequeno córrego, bebia água um Lobo esfomeado, quando chegou, mais abaixo da corrente de água um Cordeiro, que começou também a beber. O Lobo olhou com os olhos sanguinários e arreganhando os dentes disse: - Como ousas turvar a água onde bebemos? O Cordeiro respondeu com humildade: - Eu estou abaixo de onde bebes e não poderia sujar a tua água. O Lobo, mostrando-se mais raivoso tornou a falar: - Por isso, tens que praguejar? Há seis meses teu pai também me ofendeu! Respondeu o Cordeiro: - Creio que há um engano, porque eu nasci há apenas três meses, então não havia nascido e por isso não tenho culpa. O Lobo replicou: - Tens culpa pelo estrago que fizestes pastando em meu campo. Disse o Cordeiro: - Isso não parece possível, porque ainda não tenho dentes. O Lobo, sem mais razões, saltou sobre o Cordeiro, e o comeu. █

- As Fábulas de Esopo -

O Lobo e as Ovelhas

Havia entre Lobos e as Ovelhas uma guerra antiga. As Ovelhas, ainda que fracas, ajudadas pelos rafeiros (cães de guarda), sempre levavam o melhor. Certa vez os Lobos pediram paz, oferecendo como penhor seus filhotes, desde que as Ovelhas entregassem os rafeiros. As Ovelhas, cansadas daquela guerra, aceitaram e as pazes foram feitas. Aconteceu que, estando presos, os filhos dos Lobos começaram a uivar continuamente. Seus pais, ouvindo isso, correram a acudir afirmando que a paz estava quebrada e tornaram a fazer a guerra. As Ovelhas bem que tentaram se defender, mas como sua principal força consistia nos cães de guarda (rafeiros), que haviam entregado aos Lobos, facilmente foram vencidas e devoradas.

Joseph Shafan

O Rei dos Macacos e Dois Homens

Tendo perdido o caminho, dois companheiros que caminhavam, depois de terem andado muito, chegaram à terra dos Macacos. Foram, então, levados ante o rei, que vendo-os disse: - Em vossa terra, e dos lugares de onde vindes, o que dizem de mim e de meu reino? Um dos homens respondeu: - Dizem que sois um rei grandioso, de gente sábia e culta. O outro, que gostava da verdade, respondeu: - Toda vossa gente são macacos, portanto irracionais e, sendo assim, vós que sois o rei também é um macaco. Ouvindo isso, o rei mandou que o matassem e, ao primeiro, ordenou que o tratassem muito bem.

- As Fábulas de Esopo -

A Andorinha e as Outras Aves

Estavam os homens semeando algodão e linho. Observando-os, a Andorinha disse aos outros pássaros: - Será para o nosso mal o que os homens estão plantando, pois dessas sementes nascerão algodão e linho, depois eles farão laços e redes para nos prenderem. Melhor seria destruirmos o que for nascendo para que estejamos seguras. As Outras Aves riram muito e não quiseram seguir o conselho. A Andorinha, vendo isso, fez as pazes com os homens e foi viver perto de suas casas. Depois de algum tempo, os homens fizeram laços, redes e instrumentos de caça, com os quais passaram a prender as Outras Aves, preservando a Andorinha.

Joseph Shafan

O Rato e a Rã

Um Rato desejava atravessar um rio, mas o temia, pois não sabia nadar. Pediu ajuda a uma Rã que concordou desde que o Rato fosse amarrado a uma das patas. O Rato consentiu e encontrando um pedaço de fio, ligou uma de suas pernas à Rã. Assim que entraram no rio, porém, a Rã mergulhou, levando junto o Rato que sentia afogar-se. Por isso debatia-se com a Rã que, por sua vez, lutava para nadar; tudo isso causando muito cansaço e estardalhaços. Estavam nessa luta quando, por cima passava um Falcão que, percebendo o Rato sobre a água, baixou sobre ele e levou-o nas garras juntamente com a Rã que estava atada. Ainda no ar, os devorou.

- As Fábulas de Esopo -

O Ladrão e o Cão De Guarda

Um ladrão, desejando entrar à noite em uma casa para roubar, trazia consigo um pedaço de sanduiche para tentar distrair o Cão de Guarda que vigiava. Porém, assim que o Ladrão lançou o naco ao solo, o Cão disse: - Entendo que me dás este pão para que eu me cale e te deixe roubar a casa, não por algum carinho que me tenhas. Mas, já que é o dono da casa que me sustenta toda a vida, não vou deixar de latir enquanto não fores embora ou até que ele acorde e te venha enxotar. Não vou querer eu que este pedaço me custe morrer de fome toda a minha vida.

Joseph Shafan

O Cachorro e a Ovelha

No inverno, o Cachorro cobrou da Ovelha certa quantidade de pão, que dizia haver lhe emprestado. A Ovelha negou ter recebido. O Cachorro reafirmou dizendo tratar-se de um depósito, o que a Ovelha negou novamente. O Cachorro denunciou-a ao Juiz. No julgamento, o Cachorro dispôs de três testemunhas a seu favor, as quais havia subornado: um Lobo, um Abutre e um Falcão. Estes juraram ver a Ovelha receber o pão que o Cachorro reclamava. Diante disso, o Juiz condenou a Ovelha, que sem ter com o que pagar, foi forçada a ser tosquiada para que o pelo fosse vendido como pagamento ao Cachorro. Pagou então a Ovelha pelo que não recebera e ainda ficou nua sofrendo frio.

- As Fábulas de Esopo -

O Cão e a Sombra

Um Cão levava na boca um pedaço de carne quando, ao passar por um riacho, viu no fundo da água a sombra da carne que parecia maior. Soltou a que levava nos dentes para tentar pegar a que via na água. O riacho levou para sua correnteza a verdadeira carne e a sombra, ficando o Cão sem uma nem outra.

Joseph Shafan

A Mosca sobre a Carreta

Sobre uma carreta de mulas carregada pousou uma mosca. Estando ali, olhando a paisagem, achou-se altiva e que o carro ia a seu gosto. Começou então a falar para a Mula que andasse depressa, senão a castigaria picando onde lhe doesse. A Mula virou o rosto e disse: - Cala-te, desavergonhada, que não tenho medo de ti, mas sim do carreteiro porque ele leva na mão o chicote. Quanto a ti, somente com importunações pode cansar-me, mas sem me fazer outro mal.

- As Fábulas de Esopo -

O Cão e o Cartaz

Buscando o que comer, um Cão ia farejando até que encontrou um Cartaz com uma imagem de um homem, muito bem feita, de papelão e com cores muito vivas. Como estivesse o Cartaz caído no chão, o Cão começou a cheirar para ver se era um homem que dormia. Depois, empurrou com o focinho e viu que o Cartaz balançava, mas não se movia, quer para correr, quer para enxotá-lo. Então, o Cão disse: Por certo que a cabeça é bonita, mas não tem nenhum miolo.

Joseph Shafan

O Leão, a Vaca, a Cabra e a Ovelha

Combinaram entre si, um Leão, uma Vaca, uma Cabra e uma Ovelha caçarem juntos e repartirem o ganho. Assim, caminharam lado a lado e encontraram um Veado. Correram e fizeram-lhe um cerco e, depois de muito esforço, o derrubaram e o mataram. Um tanto cansados, juntaram-se em torno da presa e a repartiram em quatro partes iguais. Feito isso, o Leão tomou uma parte e disse: - Esta parte é minha, conforme o combinado. A seguir, pegou outra parte e disse: - Esta outra me pertence porque sou o mais valente de todos. Puxou uma terceira parte e disse: - Esta também é para mim porque eu sou o rei dos animais e, advirto, quem na quarta parte mexer, considere-se por mim desafiado. Assim, levou todas as partes, ficando os parceiros se achando enganados ao mesmo tempo que frustrados, mas se conformaramporque eram desiguais em forças

comparados ao Leão. █

(Parte 1 de 4)

Comentários