(Parte 1 de 2)

Curso Introdutório em Tecnologia de Satélites

O Gerenciamento de Projetos Espaciais Petrônio Noronha de Souza

Coordenação Geral de Engenharia e Tecnologia Espacial – ETE

Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – INPE

São José dos Campos, SP Maio de 2008

Unidade 3/Parte 3.0/Versão 3.0

Satélites 2

3.1 – Princípios da metodologia de gerenciamento de projetos de engenharia (com ênfase em sistemas espaciais)

Satélites 3

3.1 – Gerenciamento: Etapas típicas de um programa ou projeto de engenharia, [5]

Determinação de uma Necessidade

Determinação de um a Necessidade

Estabelecimento de um Conceito

Estabelecimento de um Conceito Análise de

Viabilid ade

Análise de Viabilid ade

Testes de Aceitação

Testes de AceitaçãoProdução Produção

Testes de De se nv ol vi me nto

Testes de

De se nv ol vi me nto Análise de Custo

/ Reprojeto

Análise de Custo / Reprojeto

Elaboração de Projeto Detalhado

/ Testes de Qualificação

Elaboração de Projeto Detalhado

/ Testes de Qualificação

Elaboração de Projeto Preliminar

Elaboração de Projeto Preliminar

Avaliação de Propostas / Seleção

Avaliação de

Propostas / Seleção

Contratação Contratação

Solicitação de Proposta Comercial

Solicitação de Proposta

Comercial

Operação Operação

Reforma ou

Desativação

Reforma ou Desativação

Decisão pelo

Prosseguimento / Aprovação de Fundos

Decisão pelo

Prosseguimento / Aprovação de Fundos

Satélites 4

3.1 – Gerenciamento: Processos primários envolvidos no gerenciamento de projetos zDefinir objetivos zListar tarefas zEstimar esforço e duração zDeterminar a interdependência das tarefas zProgramar as tarefas zProgramar os recursos zDistribuir os recursos zObter aprovação para o plano zDefinir objetivos zListar tarefas zEstimar esforço e duração zDeterminar a interdependência das tarefas zProgramar as tarefas zProgramar os recursos zDistribuir os recursos zObter aprovação para o plano zRever objetivos do planejamento e suas tarefas zDelegar tarefas zRever os critérios de acompanhamento das tarefas zMotivar a equipe zRever objetivos do planejamento e suas tarefas zDelegar tarefas zRever os critérios de acompanhamento das tarefas zMotivar a equipe zRever progresso zAvaliar riscos z Controlar alterações zReportar o progresso z Repl anej ar zConduzir revisões de projeto zRevisar e aprovar o trabalho completo zGarantir a entrega dos produtos do projeto z Resolver pendências zEncerrar o projeto zRever progresso zAvaliar riscos z Controlar alterações zReportar o progresso z Repl anej ar zConduzir revisões de projeto zRevisar e aprovar o trabalho completo zGarantir a entrega dos produtos do projeto z Resolver pendências zEncerrar o projeto z Recrutar z Gerenciar treinamento zAvaliar desempenho zDesenvolver e manter políticas, padrões, diretrizes e procedim entos zCuidar do orçamento z Recrutar z Gerenciar treinamento zAvaliar desempenho zDesenvolver e manter políticas, padrões, diretrizes e procedim entos zCuidar do orçamento

Planejamento Orientação Controle Administração Gerenciamento de Projetos

Satélites 5 3.1 – Gerenciamento: Processos primários de acordo com o PMBOK

Satélites 6 3.1 – Gerenciamento: Exemplo de fases de um projeto na área de defesa, [20]

Satélites 7 3.1 – Gerenciamento: Exemplo de ciclo de vida em termos de % de execução, [20]

Satélites 8 3.1 – Gerenciamento: Exemplo de ciclo de vida em termos de custo e pessoal, [20]

Satélites 9

3.1 – Gerenciamento: Cronograma (Diagrama de Gantt) Fonte: Scheduling Guide for Program Managers, Defense Systems Management College Press, October 2001

Satélites 10

3.1 – Gerenciamento: Custos relativos em projetos espaciais, [4]

Obra Civil

Marinha Automob.

Aeroespacial Bio-Médica

EspaçoCusto Específico [US$/Kg]

Custos típicos de estruturas: • Satélite ~ US$ 20.0/Kg

• Avião ~ US$ 2.500/Kg

• Plataforma petrolífera ~ US$ 5,0/Kg

Custos típicos de estruturas: •Satélite ~ US$ 20.0/Kg

•Avião ~ US$ 2.500/Kg

•Plataforma petrolífera ~ US$ 5,0/Kg

Satélites 1 3.1 – Gerenciamento: Custos relativos em projetos espaciais, [3]

Satélites 12

3.1 – Gerenciamento: Aspectos que influenciam o custo de um projeto espacial, [4]

Elementos Rígidos do Custo zParâmetros físicos zDimensões do sistema zCritérios de desempenho z Confiabilidade zCronogramas de prazos zImpacto dos riscos tecnológicos zComplexidade do sistema zQualificação espacial do sistema e de componentes zInvestimento inicial em pesquisa e desenvolvimento zQuantidade a ser produzida zCurva de aprendizado da produção zSistema de lançamento zSistema de solo zSuporte logístico zPolítica para sobressalentes zSistema da qualidade adotado

Elementos Rígidos do Custo zParâmetros físicos zDimensões do sistema zCritérios de desempenho z Confiabilidade zCronogramas de prazos zImpacto dos riscos tecnológicos zComplexidade do sistema zQualificação espacial do sistema e de componentes zInvestimento inicial em pesquisa e desenvolvimento zQuantidade a ser produzida zCurva de aprendizado da produção zSistema de lançamento zSistema de solo zSuporte logístico zPolítica para sobressalentes zSistema da qualidade adotado

Elementos Flexíveis do Custo zDimensão da organização zNíveis de gerenciamento envolvidos zNúmero de organizações envolvidas zAversão ao risco zMétodo de Gerenciamento zFamiliaridade do grupo de projeto com as tecnologias utilizadas zComplexidade do grupo de projeto zFamiliaridade interna do grupo de projeto zInvestimentos em pesquisa e desenvolvimento zAbordagem da qualidade zCurva de aprendizado da organização zDependência de recursos financeiros externos à organização

Elementos Flexíveis do Custo zDimensão da organização zNíveis de gerenciamento envolvidos zNúmero de organizações envolvidas zAversão ao risco zMétodo de Gerenciamento zFamiliaridade do grupo de projeto com as tecnologias utilizadas zComplexidade do grupo de projeto zFamiliaridade interna do grupo de projeto zInvestimentos em pesquisa e desenvolvimento zAbordagem da qualidade zCurva de aprendizado da organização zDependência de recursos financeiros externos à organização

Satélites 13

3.1 – Gerenciamento: Aspectos que influenciam o custo de um projeto espacial Fonte: Fox, B.; Brancato, K; Alkire B. Guidelines and metrics for assessing space system cost estimates. Rand Corporation, USA, 2008.

Satélites 14

3.1 – Gerenciamento: Aspectos que influenciam o custo de um projeto espacial (cont.) Fonte: Fox, B.; Brancato, K; Alkire B. Guidelines and metrics for assessing space system cost estimates. Rand Corporation, USA, 2008.

Satélites 15

3.1 – Gerenciamento: Aspectos que influenciam o custo de um projeto espacial, [3]

Legenda:

MTBF: “Mean Time Between Failures” ELV: “Expendable Launch Vehicle” STS: “Space Transportation System” S/C: “Space Craft”

Satélites 16

3.1 – Gerenciamento: Composição do custo do segmento espacial (exclui Carga Útil)

Fonte: Fox, B.; Brancato, K; Alkire B. Guidelines and metrics for assessing space system cost estimates. Rand Corporation, USA, 2008.

ADS: Attitude Determination and Control System EPS: Electrical Power Subsystem IA&T: Integration, Assembly & Tests Prop: Propulsion SE/PM: System Engineering/Program Management T&C: Telemetry Tracking and Command

Satélites 17

3.1 – Gerenciamento: Metodologia “Full Cost” para a composição do custo

Fonte: NASA, Management and Performance: Full Cost Budgeting: Basics and FY 2005 Update.

“Full Cost” means that each program and project budget estimate includes all of the program or project’s direct and indirect costs, including all civil service salaries and other infrastructure costs. Full cost budgeting directly links each program and project with the infrastructure it uses. Before full cost, only the project unique procurement costs for a given program or project were included in that program’s or project’s budget. … In Full Cost, each program and project budget includes three types of costs: Direct Costs, Center G&A Costs, and Corporate G&A Costs. The full cost of a program/project is the sum of these costs. (G&A: General and Administrative)

Satélites 18

3.1 – Gerenciamento: Metodologia “Full Cost” para a composição do custo (cont.)

Fonte: NASA, Management and Performance: Full Cost Budgeting: Basics and FY 2005 Update.

zBenefits of Full Cost –Full cost budgets allow more informed decisions on the most optimal use of all resources (dollars, workforce, and facilities). Full cost facilitates full disclosure of Agency costs, enables linkage of resources to results, and supports accountability to taxpayers. Full cost practices promote efficient, optimal use of institutional resources. Specifically, full cost:

• Allows justification of the entire budget on a program and project basis; • Allocates the civil service workforce by program/project need;

• Bases institutional resources on program and project requirements;

• Eliminates “free” infrastructure resources for program managers, and gives managers more insight and role in defining institutional capabilities;

• Links services with customers, basing service pool funding on user demand, not a parametric formula;

• Sharpens management focus on G&A infrastructure and sources of support capabilities, revealing underutilized institutional resources and cost-effective alternatives;

• Encourages competitively selecting support capabilities, benchmarking (internal) services against non-(internal) services, and reducing unneeded government infrastructure;

• Strengthens ties among mission components, among programs and projects, and among parts of the budget request; and

• Motivates and helps program and project managers be more efficient in managing their programs and optimizing the use of their budgeted resources (both dollars and workforce).

Satélites 19

3.1 – Gerenciamento: Gerenciamento de Riscos – Definições Fonte: ESA, Risk Management, ECSS-M-0-03B, 16 August 204

Satélites 20

3.1 – Gerenciamento: Gerenciamento de Riscos (cont.) Fonte: ESA, Risk Management, ECSS-M-0-03B, 16 August 204

Satélites 21

3.1 – Gerenciamento: Gerenciamento de Riscos (cont.) Fontes: ESA, Risk Management, ECSS-M-0-03B, 16 August 204 e ISU – SSP07

Satélites 2

3.1 – Gerenciamento: Dificuldades gerenciais típicas para o caso de um projeto espacial zO custoé uma função dos requisitos. Por conseqüência, requisitos adicionais sempre levam a custos adicionais.

zOs requisitoscostumam incluir itens de interesse que não são essenciais (“niceto have”), que acabam por aumentar o custo final do sistema.

zO orçamentoinicial é quase sempre ultrapassado. zO cronogramainicial quase nunca é obedecido.

zOs salários, a infra-estrutura, a operaçãoe os custos de lançamentosão freqüentemente sub-dimensionados nas estimativas iniciais do custo total.

zOs processos de comprade partes e materiais são usualmente morosos, burocráticos e dispendiosos, quando não inviabilizados por barreiras de exportação.

zRequisitosnão são adequadamente estabelecidos e, pior ainda, também não são adequadamente atendidos e/ouverificados quando a Engenharia de Sistemas e o Sistema da Qualidade não são eficazes.

zBarreiraspolíticas, legais e comerciais inesperadas surgem e devem ser obrigatoriamente transpostas.

zDificuldadestécnicas, insucessos na implementação de novas tecnologias, dificuldades para a contratação de pessoal adequado e competiçãocom outros projetos inflam custos e impõe atrasos.

zImprevisibilidadeorçamentária afeta contratos e o planejamento, aumentado os custos e provocando atrasos.

Satélites 23

3.2 – Princípios da Engenharia de Sistemas: Definições e metodologias utilizadas

Satélites 24

3.2 – Engenharia de Sistemas: Definições zA Engenharia de Sistemasé uma disciplina da área de gerenciamento de programas e projetos de engenharia cujo objetivo é obter um sistema robusto que satisfaça aos objetivos técnicos do cliente dentro das limitações de prazo e custo:

– Ela é caracterizada por uma seqüência ordenada de tarefas concebidas de forma a obter um resultado ótimo para o sistema.

– Um resultado ótimo não implica necessariamente no máximo desempenho ao mínimo custo e no menor prazo. De fato, o ótimo é definido pelos objetivos e requisitos estabelecidos para o projeto ou programa e será uma mistura dos fatores acima.

zPrograma: Atividade com propósitos, objetivos, e fundos bem definidos consistindo de um ou mais Projetos.

zProjeto: Atividade estabelecida por um Programa e caracterizada por propósitos, objetivos, requisitos, “LifeCycleCost”, começo e fim bem definidos.

zProduto: Itens de entrega submetidos a um Sistema da Qualidade acordado entre as partes.

Satélites 25

3.2 – Engenharia de Sistemas: Fases

Phased Project Planning – P: É a mais difundida e é tradicionalmente adotada pela NASA, ESA e pelo Departamento de Defesa Americano (DoD). Gerencia programas e projetos por meio de fases.

DR Decommissioning Review PRR Preliminary Requirements Review

Major Review FRR Flight Readiness Review QR Qualifications Review Review MCR Mission Concept Review SAR System Acceptance Review Launch MDR Mission Definition Review SDR System Definition Review

AR Acceptance Review ORR Operational Readiness Review SRR System Requirements Review CDR Critical Design Review PDR Preliminary Design Review

Mission Analysis,

Needs Identified

A Feasibilit y B

Preliminary Definition

Detailed Definition

Production /

Ground Qualification Testin g

EUtilization F Disposal

Pre-Phase

Advanced Stu dies

Preliminary Anal ysis

BDefinition CDesign D Dev elopment E

Operation s

Nomenclatura em Português (Metodologia da ESA)

Fase 0: Análise de missão Fase A: Análise de viabilidade Fase B: Definição preliminar do projeto Fase C: Definição detalhada do projeto Fase D: Produção e qualificação Fase E: Operação Fase F: Descarte

Obs: A nomenclatura pode variar de acordo com a fonte.

Satélites 26

3.2 – Engenharia de Sistemas: Fases (cont.)

Obs: A nomenclatura pode variar de acordo com a fonte.

Fase de proposição e deestudos de viabilidadedas missõe s

Fase de proposição e deestudos de viabilidadedas missõe s

Fase de desenvolvimentodas missões Fase de desenvolvimentodas missões

Fase de utilização Fase de utilização

Fase de de scarte

Fase de de scarte

Mission

An alysis

Feasibilit y Preliminary

De finition

Detailed De finition

Production / Ground

Qualif ic atio n Te stin g Utiliz atio n Dispos al

0 A B C D E F

Du ração

Fase de proposição e deestudos de viabilidadedas missõe s

Fase de proposição e deestudos de viabilidadedas missõe s

Fase de desenvolvimentodas missões Fase de desenvolvimentodas missões

Fase de utilização Fase de utilização

Fase de de scarte

Fase de de scarte

Mission

An alysis

Feasibilit y Preliminary

De finition

Detailed De finition

Production / Ground

Qualif ic atio n Te stin g Utiliz atio n Dispos al

0 A B C D E F

Du ração

Satélites 27

Revisões de Engenharia zMDR:Mission Definition Review zPRR:Preliminary Requirements Review zSRR:System Requirements Review zPDR:Preliminary Design Review zCDR:Critical Design Review zQR:Qualification Review zAR:Acceptance Review zORR:Operational Readiness Review zFRR:Flight Readiness Review

3.2 – Engenharia de Sistemas: Metodologia P para o ciclo de vida de um projeto, [13]

Obs: A nomenclatura pode variar de acordo com a fonte.

Satélites 28

3.2 – Engenharia de Sistemas: Revisões de Projeto Fonte: ESA, Organization and conduct of reviews, ECSS--M--30--01A, 1 September 1999

Satélites 29

(Parte 1 de 2)

Comentários