Rotulagem Ambiental

Rotulagem Ambiental

A Rotulagem Ambiental e o Consumidor no Mercado Brasileiro de Embalagens

Figura 1

Modelo ISO 14001 e suas correlações com as demais normas da série 14000

Após o sucesso das normas de qualidade, como já mencionado, a história se repetiu. O British Standards Institution iniciou a criação de norma sobre SGA no final dos anos 1980s, resultando daí a BS 7750 em 1992. Seguindo o exemplo desse órgão, em vários países foram criadas normas para o mesmo fim, gerando restrições ao comércio internacional. A ISO entra em cena. Em 1992 criou um grupo de assessoria denominado Strategic Advisory Group on the Environment (SAGE) para estudar as questões decorrentes da diversidade crescente de normas ambientais e seus impactos sobre o comércio internacional. O SAGE recomendou a criação de um comitê específico para a elaboração de normas sobre gestão ambiental, o Comitê Técnico 207 (TC 207). Em 1996 são editadas as primeiras normas sobre gestão ambiental a cargo do Subcomitê 1 (SC1): a ISO 14001 e 14004, ambas sobre SGA. Desde então outras foram editadas sobre outros tópicos da gestão, tais como, auditoria ambiental, rotulagem ambiental, avaliação do ciclo do produto etc. Essas normas que em abril de 2.004 eram 25 formam um sistema de normas, de acordo com um ciclo PDCA ampliado, como mostra a Figura 1. O núcleo desse ciclo é a ISO 14.001 (o círculo azul na Figura 1), uma norma também concebida como um ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act). Todas as normas da gestão têm como base o ciclo PDCA, criado na década de 1930 por Walter A. Stewart para efeito da gestão da qualidade, e que passou a ser utilizado para outros propósitos tornando-se uma espécie de modelo padrão de gestão para implementar qualquer melhoria de modo sistemático e contínuo. As normas citadas na Figura 1 são autônomas, podendo ser implementadas de modo isolado.

As Normas ISO 14000

A Rotulagem Ambiental

A comunicação é a chave para a mudança de comportamento na sociedade moderna em direção ao desenvolvimento sustentável e o setor produtivo tem dado importantes contribuições através de mecanismos os mais variados. Um exemplo é a rotulagem ambiental de produtos que se consolidou em diversos países através das auto-declarações, muitas já ajustadas aos padrões internacionais da ISO. Atenta à necessidade de normatizar a relação entre produtos e consumidores ou relações B2B (Business to Business) a ISO criou a série de normas 14020. No escopo da ISO, os tipos de rotulagem ambiental são três, a saber:

•Rotulagem Tipo I – Programas de Selo Verde •Rotulagem Tipo I – Auto-declarações ambientais

•Rotulagem Tipo I – Inclui avaliações de Ciclo de Vida

Rotulagem Tipo I – NBR ISO 14024

Esta Norma “estabelece os princípios e procedimentos para o desenvolvimento de programas de rotulagem ambiental, incluindo a seleção de categorias de produtos, critérios ambientais dos produtos e características funcionais dos produtos, e para avaliar e demonstrar sua conformidade. Esta Norma também estabelece os procedimentos de certificação para a concessão do rótulo”.

Rotulagem Tipo I – NBR ISO 14021

Esta Norma “especifica os requisitos para auto-declarações ambientais, incluindo textos, símbolos e gráficos, no que se refere aos produtos. Ela descreve, ainda, termos selecionados usados comumente em declarações ambientais e fornece qualificações para seu uso. Esta Norma também descreve uma metodologia de avaliação e verificação geral para auto-declarações ambientais e métodos específicos de avaliação e verificação para as declarações selecionadas nesta Norma”.

Figura 2

Símbolos para identificação de produtos “Recicláveis”

Figura 3

Símbolos para identificação de produtos “reciclados” – o valor % indica o conteúdo reciclado

Rotulagem Tipo I – ISO 14025

Esta Norma ainda está sendo elaborada no âmbito da ISO. Ela tem alto grau de complexidade devido à inclusão da ferramenta Avaliação do Ciclo de Vida. A percepção é de que ainda há um longo caminho a ser percorrido para que este tipo de rotulagem ganhe o mercado, visto que a ferramenta de ACV ainda não está definitivamente consolidada do ponto de vista técnico.

A experiência brasileira com auto-declarações

As auto-declarações têm ganho destaque no cenário brasileiro para embalagens em geral, consolidando-se como a melhor interface com o consumidor. Os símbolos mais comuns são:

Alumínio ReciclávelAço ReciclávelVidro Reciclável

Longa Vida ReciclávelLixo Comum (anti-littering)

Para plásticos a simbologia mais utilizada segue a Norma NBR 13230 da ABNT.

A maior parte das empresas está utilizando essa simbologia. Ela é muito importante para orientar os programas de coleta seletiva, especialmente catadores e sucateiros.

Para papel e papelão, os símbolos da NBR ISO 14021 (Tipo I) têm sido seguidos pela maioria das empresas. É importante ressaltar que o setor de papel influenciou diretamente estas normas durante sua elaboração. Os símbolos Tipo I da ISO foram inspirados na simbologia utilizada pelo setor, especialmente nos Estados Unidos. Como no Brasil o aspecto social relacionado à coleta seletiva, através da inserção dos catadores de materiais recicláveis no processo é fator determinante, estes símbolos tornaram-se ferramentas indispensáveis no auxílio à atividades desses verdadeiros “agentes ambientais”. Os símbolos são muito importantes nas etapas de coleta seletiva e triagem.

Auto-declarações auxiliam na etapa de coleta seletiva e triagem de materiais recicláveis

Bons exemplos com as auto-declarações

A seguir são apresentados bons exemplos de auto-declarações ambientais que seguem os padrões da ISO e da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). O consumidor atento às questões ambientais já está acostumado com este tipo de simbologia.

Simbologia para Identificação de Plásticos (ajustados à Norma ABNT)

Simbologia para embalagens de alumínio

Esta simbologia apesar de não ser normatizada no Brasil já está consolidada no mercado e o consumidor a identifica com clareza. Ela é útil também na diferenciação em relação às embalagens de aço, auxiliando a etapa de triagem e encaminhamento às indústrias recicladoras.

Simbologia para embalagens de aço

Também neste caso a simbologia apesar de não ser normatizada no Brasil já está consolidada no mercado e o consumidor a identifica com clareza. Ela também é fundamental na etapa de triagem (diferenciação em relação às embalagens de alumínio) e encaminhamento às indústrias recicladoras.

Simbologia para embalagens Longa-Vida

A simbologia para as embalagens Longa-Vida está presente em quase todos os produtos envasados nessas embalagens.

Campanha anti-littering

Vários produtos contém declarações voltadas a campanhas anti-littering, ou seja, que chamam a atenção para a necessidade de se direcionar a embalagem pós-consumo para o destino adequado, a lata do lixo. Estas campanhas são especialmente importantes para produtos consumidos em “trânsito”.

Outros exemplos consagrados

Alguns produtos são identificados com símbolos adaptados por empresas e/ou associações setoriais. Abaixo são apresentados dois exemplos deste tipo de declaração que ganharam adesão do consumidor atento às questões ambientais.

Simbologia para embalagens de vidro

Declarações ajustadas à Norma NBR ISO 14021

A seguir são apresentados alguns exemplos de declarações no mercado brasileiro perfeitamente ajustadas à Norma ISO 14021, que já foi traduzida para o português e publicada como norma NBR. Em alguns casos nota-se pequena variação no design dos pictogramas que precisam ser ajustados mas que não comprometem o objetivo da comunicação.

Declarações ajustadas à Norma NBR ISO 14021 Declarações ajustadas à Norma NBR ISO 14021

Declarações ajustadas à Norma NBR ISO 14021 Declarações ajustadas à Norma NBR ISO 14021

Declarações ajustadas à Norma NBR ISO 14021 Declarações ajustadas à Norma NBR ISO 14021

Declarações ajustadas à Norma NBR ISO 14021 Declarações ajustadas à Norma NBR ISO 14021

Programas de Selo Verde

Num programa de Rotulagem Tipo I outorga-se um selo ambiental a produtos que satisfazem um conjunto de requisitos pré-determinados. Dessa forma, o selo identifica produtos que são determinados como preferíveis do ponto de vista ambiental, dentro de uma determinada categoria de produto específica, com base em considerações superficiais do ciclo de vida. Programas de Selo Verde não têm tido êxito em diversas partes do planeta devido principalmente aos seguintes fatores:

1.Impossibilidade de estabelecer-se critérios objetivos e cientificamente defensáveis que identifiquem produtos “melhores do ponto de vista ambiental” em uma dada categoria – não há método científico que permita a integração dos variados e complexos aspectos das questões ambientais para a totalidade de uma categoria de produtos ou que reconcilie os julgamentos muitas vezes conflitantes das partes interessadas no estabelecimento dos critérios. Em conseqüência, as entidades certificadoras não podem avaliar de forma objetiva os aspectos ambientais dos diferentes produtos. Por exemplo, um produto pode ter um baixo consumo de energia, mas uma emissão de resíduos sólidos relativamente grande. Outro pode gerar pouco resíduo sólido, mas causar uma maior poluição da água, e assim por diante;

2.Os Selos Verdes constituem uma barreira à inovação, tanto com relação ao meio ambiente como com relação ao melhor desempenho dos produtos – os critérios somente podem ser calcados no conhecimento existente, quer dos produtos, quer das tecnologias e das questões ambientais. Os programas de selagem ambiental codificam a sabedoria convencional e estabelecem fronteiras artificiais que desencorajam os fabricantes a explorar oportunidades não contempladas pelos critérios de selagem ambiental;

3.Os Selos Verdes treinam os consumidores a procurar símbolos, e não os informam a respeito dos aspectos ambientais específicos dos produtos que compram – os programas não encorajam os consumidores a se informar a respeito das características dos produtos nem sobre a enorme complexidade das questões ambientais, e tampouco a respeito do que podem fazer, como indivíduos, para melhorar seus hábitos de uso e disposição final dos produtos;

4.Os Selos Verdes criam barreiras comerciais porque seus critérios contemplam somente as prioridades nacionais ou regionais, e não as que tem relevância internacional – a maioria das partes interessadas vive no país ou região em que o programa é aplicado. Por essa razão, o desenvolvimento dos critérios contempla políticas ambientais, características dos produtos, dados ambientais, gestão da disposição dos resíduos e recursos de infra-estrutura do país ou da região. Em conseqüência, os critérios não refletem a diversidade global das questões e práticas ambientais, e tendem a potencialmente estimular a discriminação contra produtos de fora do país ou da região;

A ABNT chegou a lançar um programa de Selo Verde mas este acabou não ganhando destaque no cenário nacional por vários motivos, alguns dos quais expostos acima.

Selo ABNT

Praticamente não foi utilizado no Brasil

Considerações finais

No Brasil a tendência é a de utilização cada vez mais ampla das auto-declarações ambientais, buscando oferecer informações precisas, relevantes e de fácil entendimento para o consumidor, seja ele o consumidor final ou mesmo na relação B2B (Business to Business). Não há relatos de programas de selo verde que tenham ganho relevância em cenários nacionais ou mesmo regionais (ex: Mercosul) – exceto no caso do setor de papel e celulose e suas florestas de replantio. O Brasil já traduziu as normas da série ISO 14020 e trabalha na confecção da Norma ISO 14025.

O consumidor brasileiro atento às questões ambientais já está familiarizado com as auto-declarações em vigor, bem como com programas de coleta seletiva tanto em nível governamental como por parte de cooperativas e/ou associações de catadores que atuam tanto na coleta quanto na triagem dos recicláveis. No entanto, há muito o quê fazer no sentido da harmonização das declarações. Muitas empresas ainda não se adequaram aos padrões descritos neste documento. E mesmo algumas empresas ainda não harmonizaram as declarações para diferentes produtos por elas comercializados.

Cabe ao Conselho de Metrologia, Normalização e

Qualidade Industrial – CONMETRO, em articulação com os diversos segmentos da sociedade, representados no Comitê Brasileiro de Avaliação da Conformidade – CBAC, estabelecer a estrutura de avaliação da conformidade no âmbito do SBAC – Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade, para a área de meio ambiente, segundo os padrões das normas ISO Série 14000, de acordo com Resolução CONMETRO no. 3 de 04/09/1995.

Para mais informações consulte: w.cempre.org.br

Comentários