Pedagogia Empresarial

Pedagogia Empresarial

Curso Pedagogia Empresarial Roberta Bezerra Brite

betaxande@bol.com.br

Aprendendo a AprenderRevista VENCER! edição 42 - 2003.

Empresas descobrem a importância da educação no trabalho e abrem as portas para pedagogos

Já passou a época em que o pedagogo ocupava-se somente da educação infantil. A pedagogia hoje dispõe de uma vasta área de atuação, que inclui, além de instituições de ensino, empresas dos mais diversos setores. "É necessário separar o que é escolar do que é educativo. O pedagogo pode atuar em todas as áreas que requerem um trabalho educativo", ressalta Neide Noffs, professora da Faculdade de Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP).

Mas apenas formar-se pedagogo não é suficiente para conquistar um cargo em uma companhia. É necessário buscar outros conhecimentos relacionados à educação corporativa e à andragogia (educação de adultos) por meio de cursos de especialização, mestrados e doutorados. "O curso de pedagogia ainda está muito voltado para a escola, mas isso está mudando. As faculdades já estão revisando seus currículos, de modo que a formação de profissionais seja melhor direcionada. Hoje, os alunos freqüentam estágios focados no trabalho em empresas, mas não saem da faculdade especialistas nesta área. Futuramente, o curso será mais específico e passará a adotar a nomenclatura de pedagogia com ênfase em empresas", explica a professora da PUC. De acordo com ela, ainda é preciso analisar quais conhecimentos e habilidades específicas serão exigidas no curso para que não surjam problemas no exercício da profissão. "Este assunto requer muito estudo para evitar que o trabalho do pedagogo empresarial colida com o de outros profissionais, como assistente social ou psicólogo organizacional" (veja texto 02_PE Psicologia Organizacional), ressalta.

Como não poderia deixar de ser, as funções desempenhadas pelo pedagogo dentro de uma companhia estão em constante movimento, já que são influenciadas por diversos fatores, como o desenvolvimento tecnológico, a competitividade e as exigências de mercado. "Hoje, as palavras-de-ordem dentro das organizações são: mudança e gestão do conhecimento. Nesse contexto, o papel do pedagogo é fundamental, pois todo processo de mudança exige uma ação educacional e gerir o conhecimento é uma tarefa, antes de tudo, de modificação de valores organizacionais", explica Vera Martins, pedagoga especialista em treinamento e desenvolvimento de pessoas em empresas.

O pedagogo empresarial pode focar seus conhecimentos em duas direções: no funcionário ou no produto da empresa. No primeiro caso, trata-se da atuação no departamento de Recursos Humanos (RH), realizando atividades relacionadas ao treinamento e desenvolvimento do trabalhador. "O pedagogo é o responsável pela criação de projetos educacionais que visam facilitar o aprendizado dos funcionários. Para tanto, realiza pesquisas para verificar quais as necessidades de aprimoramento de cada um e qual método pedagógico é mais adequado. A partir daí, trabalha em conjunto com outros profissionais de RH na aplicação e coordenação desses projetos", explica a pedagoga Leslie dos Santos, consultora de RH do BankBoston.

Já no segundo caso, o pedagogo irá atuar em empresas que trabalham com educação, como editoras, sites e organizações não-governamentais (ONGs). "Uma das minhas funções dentro da editora é apresentar o produto ou serviço da maneira mais atraente possível ao cliente, que em geral são professores. Para isso, desenvolvo projetos pedagógicos e estratégias de divulgação de livros, CDs, revistas, vídeos e DVDs", explica.

Cláudia Onofre, pedagoga responsável pelo departamento de divulgação da Editora Paulus.

Novos caminhos

Além do trabalho em corporações, os pedagogos empresariais podem ampliar seus serviços prestando consultoria. Obter sucesso neste campo, no entanto, não é tarefa fácil. É necessário ter experiência, conhecimento teórico e manter uma ampla rede de contatos.

O pedagogo José Emídio Teixeira trabalhou 16 anos na empresa de produtos químicos Rhodia antes de optar pela consultoria. "Em 1982, quando entrei na Rhodia, tracei um plano para tornar-me consultor. Comecei a desenvolver uma série de atividades dentro da empresa, tendo a preocupação de buscar sempre projetos inovadores, ambiciosos. Ao coordenar e desenvolver estes projetos eu me preparava para ser consultor", explica.

De acordo com José Emídio, há uma forte tendência para a terceirização dos serviços de pedagogia empresarial. "Por não estar envolvido no dia-a-dia da empresa, o consultor avalia os problemas, a cultura e o desempenho da companhia com mais isenção, com uma visão mais crítica. Além disso, geralmente o consultor é um profissional mais experiente, com passagem por diversas empresas, o que possibilita a ele trazer novas idéias, conceitos e soluções para a companhia", ressalta.

São vários os trabalhos desenvolvidos pelos consultores. Eles podem liderar projetos inovadores, atuar como conselheiros de carreira de gerentes e executivos (coaching), representar a empresa em negociações, aportar novas tecnologias e processos, avaliar desempenho, treinar funcionários, entre outras funções. No entanto, os campos que apresentam maior potencial de crescimento, segundo Teixeira, são os que exigem assessoria metodológica (didática, tecnologia e recursos instrucionais), planejamento e administração educacional.

"As empresas passaram a se preocupar não só com treinamento, mas com educação também. Elas perceberam que a pedagogia aumenta a eficácia dos programas de treinamento porque as pessoas aprendem melhor. E, quanto maior a coerência entre a cultura da companhia e os princípios pedagógicos aplicados, maior será o sucesso da empresa no mercado", afirma Marisa Éboli, professora de Educação Corporativa da Universidade de São Paulo (USP).

Marisa é coordenadora de projetos de Universidades Corporativas (UC), adotados por diversas companhias, como Embratel, Caixa Econômica Federal, Ambev e BankBoston. "As empresas que desenvolvem universidades corporativas criam um sistema de aprendizado contínuo nos quais os funcionários aprendem a trabalhar com novos processos e novas soluções, além de compreenderem a importância dessa aprendizagem em relação ao cumprimento das metas da empresa", explica a professora.

“A universidade corporativa vem também para suprir uma deficiência das universidades abertas”. Falta parceria entre escola e empresa para formar o profissional de acordo com as necessidades do mercado de trabalho. As empresas exigem habilidades de comunicação, relacionamento interpessoal, administração de conflitos.

Mas qual é o curso superior que ensina isto?", complementa a pedagoga Patrícia Felisbino, analista de Recursos Humanos da empresa química Oxiteno.

A Accor, empresa do ramo hoteleiro, foi a primeira companhia no Brasil a apostar nesse sistema de educação empresarial. Há dez anos, implantou sua universidade corporativa, que hoje conta com a participação de mais de 22.500 funcionários - 84% dos empregados.

"Com o tempo, começamos a perceber que os profissionais precisavam aperfeiçoar seus conhecimentos. O mundo corporativo passa constantemente por mudanças e o funcionário tem que estar sempre se atualizando", explica Célia Ferraz, diretora de Educação e Comunicação da Accor.

Nas universidades corporativas os pedagogos são os responsáveis pela avaliação de cursos, profissionais e programas de faculdades no estabelecimento de parcerias. "O pedagogo escolhe entre as opções disponíveis aquela que melhor atende às necessidades da empresa. Às vezes, é necessário adaptar o currículo do curso e isso também é feito pelo pedagogo, em conjunto com outros profissionais de educação", afirma Célia.

Além dos cursos realizados dentro da empresa, os funcionários podem participar de programas on-line, que contam com a orientação de pedagogos. "As empresas já estão oferecendo a opção de cursos via internet a seus empregados. Essa é uma tendência e as companhias que seguirem este caminho terão maior sucesso", afirma a consultora de RH do BankBoston.

Em alguns casos, no entanto, as aulas tradicionais são insubstituíveis. O treinamento de chefes é um exemplo. "Os pedagogos preparam os executivos para melhor lidarem com seus subordinados, ensinando didática e técnicas de apresentação. Isso facilita a comunicação e propicia melhores resultados", comenta Célia.

Segundo Marisa Éboli, a crescente preocupação das empresas em investir em educação está ampliando a demanda por pedagogos empresariais. "As companhias buscam profissionais que saibam convergir as teorias educacionais para a prática empresarial. Esta é uma área recente, que está sendo muito valorizada pelas empresas. Nos últimos anos, o número de universidades corporativas cresceu bastante e esse processo deve se intensificar nos próximos anos", afirma a professora da USP.

O que faz um pedagogo empresarial?

  • Desenvolve e coordena projetos educacionais que serão utilizados no treinamento de funcionários.

  • Desenvolve projetos educacionais voltados para a divulgação de produtos.

  • Elabora programas de avaliação de performance.

  • Atua como conselheiro de carreira de gerentes e executivos (coaching).

  • Analisa a necessidade de aprendizado de cada funcionário e determina qual a melhor metodologia para cada caso.

  • Pesquisa, analisa e seleciona cursos e projetos a serem adotados pela empresa.

  • Orienta funcionários nos cursos via internet.

  • Trabalha a cultura empresarial (valores e objetivos) junto a funcionários.

Dicas de quem entendeVeja os conselhos de profissionais e professores para quem deseja subir na carreira.

  • Mantenha-se atualizado. Estude, leia, desenvolva pesquisas, participe de cursos e treinamentos, associe-se a órgãos e sindicatos. Mas cuidado para não se perder entre as diversas opções. "Cada profissional deve procurar saber o que realmente o satisfaz e investir nisso. Deve-se procurar ser único e não igual a todos que seguem as mesmas receitas", alerta Patrícia Felisbino, analista de Recursos Humanos da empresa química Oxiteno.

  • Conheça todas as áreas da empresa na qual está trabalhando. Isso possibilita entender quais problemas a empresa enfrenta e como eles podem ser resolvidos.

  • Desenvolva sua capacidade de trabalhar em equipe e seja dinâmico.

  • Seja humilde. O aprendizado é uma via de mão dupla - ensine e aprenda com seus colegas e clientes.

  • Crie um ambiente de trabalho que valorize e motive a participação e opiniões dos funcionários.

  • Busque um profissional mais experiente para ser seu conselheiro. Ele poderá contribuir com aprimoramento profissional ao compartilhar experiências e uma visão empresarial mais sólida.

  • Tenha a tecnologia a seu favor. Utilize ferramentas como internet e DVD em projetos educacionais.

  • Seja generalista. Busque conhecimentos também em áreas que não estão diretamente relacionadas à educação.

  • Não se deixe abater pelas dificuldades. Elas geram oportunidades de crescimento.

Comentários