(Parte 1 de 13)

CORPO FECHADO

"A barata diz que tem

sete saias de filó...

É mentira da barata:

ela tem é uma só."

(CANTIGA DE RODA.)

JOSÉ BOI CAIU DE um barranco de vinte metros; ficou

com a cabeleira enterrada no chão e quebrou o pescoço. Mas,

meio minuto antes, estava completamente bêbado e também

no apogeu da carreira: era o "espanta-praças", porque tinha

escaramuçado, uma vez, um cabo e dois soldados, que ião

puderam reagir, por serem apenas tres. - Você o conte. ceu,

Manuel Fulô?

- Mas muito! ... Bom homem... Muito amigo meu.

Só que ele andava sempre coçando a cabeça, e eu tenho um

medo danado de piolho...

- Podia ser sinal de indecisão...

- Eu acompanhei até o enterro. Nunca vi defunto tão

esticado de comprido ... Caixão especial no tamanho: acho

que levou mais de peça e meia de galão ...

- E quem tomou o lugar dele?

- Lugar? O sujeito não tinha cobre nem p'ra um bom

animal de sela ... O que ganhava ia na pinga ... Mão

aberta ...

,- Mas, quem ficou sendo o valentão, depois que ele

morreu?

- Ah, isso teve muitos: o Desidério ...

- Cuéra?

- Cabaça ... Só que era bruto como ele só, e os outros

271

272

tinham medo dele. Cavalo coiceiro... Comigo nunca se engraçou!

- Como acabou?

- Acabou em casa de grades. Foi romper alelúia, na

cidade, e os soldados abotoaram o filho da mãe dele...

Não voltou aqui, nunca mais...

- E o tal Dêjo?

- Esse foi depois... Antes teve o Miligido... E o

nome daquele era Adejalma, nome bobo, que nem é de santo... Um peste. Muita prosa, muita farroma, mas eu virei

o cujo do avesso! Me respeitou! Me respeitou, seu doutor!

- Briga, Manuel?

- Lhe conto, seu doutor. Foi na venda: eu estava comprando cadarço de roupa, coisa de paz ... O homem já veio

chegando enjoado, me olhando com cara de herege... Negaceou. Depois, virou p'ra o Pércio, que era caixeiro nesse

tempo, e perguntou: "O senhor tem aí dessa raça de faca

que entra na barriga e murguêia?" E olhou p'ra mim, outra

vez, p'ra ver se eu estava com receio...

- E você, Manuel Fulô?

- Eu ia serrar de cima, mas nem não tive tempo, porque nessa horinha vinha entrando um tropeiro da Soledade,

que era homem duro, e pensou que a ofensa era p'ra ele...

E aquilo foi o tropeiro dando um murro no balcão, e tossindo, e perguntando também p'ra o Pércio: "Por falar nisso, o

senhor não terá também dessa raça de bala que bate na testa

e chatéia?!" Pois aí o Adejalma se riu de medo, e disse que

estava era brincando...

- Mas, então, Manuel, como foi que você virou o Dejo

pelo" avesso?

- Ara, ara, seu doutor! Se o tropeiro não tivesse entrado, eu fazia desordem, e fazia mesmo ... Porque, depois,

o cachorro do Adejalma ainda me perguntou, só por deboche, porque ele estava cansado de saber quem eu era: "Como

é que você chama, rapaz?" ...

- E você?

- Eu pus a mão na coronha da garrucha, e respondi:

"Só eu perguntando p'r'a minha mãe" ...

- E ele?

- Um desgraçado! Era só ele bulir, e eu mais o tropeiro mandávamos o corpo dele p'ra o quincumbim.. .

Aquele sujo! Assassino! Tralha!

- Que raiva é essa, fora de hora, Manuel?

- Pois o senhor não imagina que, ao depois, o miserável desse Adejalma, só por medo da minha macheza, me convidou, mais o tropeiro, p'ra beber com ele e fazer companhia? ... O tropeiro agradeceu e não aceitou, mas eu fui,

porque não sou soberbo ... Pois o senhor não acredita que

o canalha foi encomendando despesas, e me elogiando e respeitando, até que eu fiquei assim meio escurecido, e aí ele

foi-s'embora e me deixou sozinho p'ra eu ter de pagar tudo,

por perto de uns quatro mil-réis? ... É ou não é p'ra uma

(Parte 1 de 13)

Comentários