Pequena Antologia de Poesia Trovadoresca

Pequena Antologia de Poesia Trovadoresca

(Parte 1 de 6)

Antologia de poesia trovadoresca

galego-portuguesa

1. Alba – com discordância de tempos de Nuno Fernandes Torneol (CV 242 e CBN 641)

Levad’, amigo que dormides as manhãas frias; levad’ = levantai

toda-las aves do mundo d’amor diziam:

leda m’ and’ eu. leda = alegre

Levad’, amigo que dormides as frias manhãas;

toda-las aves do mundo d’amor cantavam;

leda m’ and’ eu.

Toda-las aves do mundo d’amor diziam:

do meu amor e do voss’ en ment’ aviam;

leda m’ and’ eu.

Toda-las aves do mundo d’amor cantavam;

do meu amor e do voss’ i emmentavam; emmentavam = lembravam

leda m’ and’ eu.

Do meu amor e do voss’ en ment’ aviam;

vos lhi tolhestes os ramos en que siiam: siiam = se assentavam

leda m’ and’ eu.

Do meu amor e do voss’ i emmentavam;

vos lhi tolhestes os ramos en que pousavam: tolhestes = tirastes, tomastes

leda m’ and’ eu.

Vos lhi tolhestes os ramos en que siiam:

e lhis secastes as fontes em que beviam:

leda m’ and’ eu.

Vos lhi tolhestes os ramos en que pousavam:

e lhis secastes as fontes u se banhavam:

leda m’ and’ eu.

2. Barcarola de Meendinho (CV 438; CBN 852)

Sedia-m’ eu na ermida de San Simion, sedia = estava sentada

e cercaron-mi as ondas que grandes son:

eu atendend’ o meu amigo, atendendo = esperando

eu atendend’ o meu amigo.

Estando na ermida ant’ o altar,

cercaron-mi as ondas grandes do mar:

eu atendend’ o meu amigo,

eu atendend’ o meu amigo.

E cercaron-mi as ondas que grandes son:

nem hei i barqueiro nem remador:

eu atendend’ o meu amigo,

eu atendend’ o meu amigo.

E cercaron-mi as ondas do alto mar;

non hei i barqueiro nem sei remar:

eu atendend’ o meu amigo,

eu atendend’ o meu amigo.

Non hei i barqueiro nem remador:

morrerei eu, fremosa, no mar maior:

eu atendend’ o meu amigo,

eu atendend’ o meu amigo.

Non hei i barqueiro nem sei remar:

e morrerei eu, fremosa, no alto mar:

eu atendend’ o meu amigo,

eu atendend’ o meu amigo.

3. Barcarola de Martim Codax (CV 884 e CBN 1227)

Ondas do mar de Vigo,

se vistes meu amigo!

E ai Deus, se verrá cedo! verrá = virá

Ondas do mar levado,

se vistes meu amado!

E ai Deus, se verrá cedo!

Se vistes meu amigo,

o por que eu suspiro!

E ai Deus, se verrá cedo!

Se vistes meu amado,

por que hei gran cuidado!

E ai Deus, se verrá cedo!

4. Bailia ou bailada de João Zorro (CV 761 e CBN 1158)

Bailemos agora, por Deus, ai velidas, velidas = belas

sô aquestas avelaneiras frolidas, frolidas = floridas

e quem for velida, como nós, velidas,

se amigo amar,

(Parte 1 de 6)

Comentários