ag0405 secagem de grãos

ag0405 secagem de grãos

(Parte 1 de 2)

UFES – Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Engenharia Rural Boletim Técnico: AG: 04/05 em 29/03/2005

Prof. Luís César da Silva – email: silvalc@cca.ufes.br

O processo de secagem é aplicado para reduzir o teor de umidade de produtos agrícolas. Deste modo, é diminuída a disponibilidade de água para: (i) o desenvolvimento de fungos e bactérias, o que evita o surgimento de grãos ardidos e micotoxinas, (i) a realização do processo de respiração dos grãos que provoca perda de peso e gera calor e (i) a execução de reações bioquímicas que promovem a auto-degeneração do produto.

O teor de umidade corresponde à relação percentual entre a massa de água presente e o peso total do produto. Por exemplo, se uma carga de 28,0 toneladas apresenta teor de umidade de 15%, 4,2 t da carga é água; e 23,8 t é matéria seca formada por: carboidratos, lipídios, proteínas e sais minerais.

A meta maior da armazenagem é conservação da matéria seca. Para tanto, devido ao menor custo é recomendada a secagem. Para as condições brasileiras, o teor de umidade ideal para a armazenagem de grãos e sementes é de 13%. Este valor foi estipulado por estabilizar a atividade aquosa do produto (Aa) e assim inviabilizar, principalmente, o desenvolvimento de fungos e bactérias.

Atividade aquosa (Aa) é um índice utilizado para expressar a disponibilidade de água na camada delgada de ar junto à superfície de produtos de origem animal ou vegetal.

Este índice varia de 0 a 1. Quanto maior o teor de umidade do produto maior é o índice de atividade aquosa.

As bactérias geralmente exigem níveis de atividade aquosa superior a 0,90 para multiplicarem, enquanto para os fungos os valores variam de 0,65 a 0,90. Nestes casos, o teor de umidade da massa de grãos pode variar de 14 a 28%.

1. Fundamentos do Processo de Secagem

Grãos e sementes são produtos higroscópios. Portanto, podem repassar ou receber vapor de água do ar que os circunvizinham.

O fato de o produto ser higroscópico faz com que, sobre a sua superfície, seja estabelecida uma camada delgada de ar que constitui um micro-clima. E este tem suas condições de estado reguladas pela temperatura e teor de umidade do produto. Uma das propriedades deste micro-clima é umidade relativa, que, neste caso, tem valor igual a 100 vezes o índice de atividade aquosa.

Por outro lado, o ar que circunvizinha o produto, também possui a sua umidade relativa. E esta é relacionada à quantidade de vapor diluída no ar. O valor da umidade relativa varia de 0 a 100%. O ar, com 0%, não possui vapor de água diluído, porém quando a 100% está em seu estado máximo de saturação.

O sentido e intensidade do fluxo de vapor de água entre os grãos e o ar são estabelecidos segundo a diferença dos valores de umidade relativa: (i) do ar do micro-clima sobre os grãos - URg e (i) do ar circunvizinho ao grão URac. O sentido do fluxo de vapor sempre ocorrerá do ponto com maior valor de umidade relativa para o de menor. Sendo assim, três situações podem ocorrer: Caso:

1) URg maior que URac ocorre secagem do produto;

1 Artigo Publicado na Revista: Grãos Brasil: Da Semente ao Consumo, Ano I, no XIV, Maio de 2004, p. 10 -14.

UFES – Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Engenharia Rural Boletim Técnico: AG: 04/05 em 29/03/2005

2) URg menor que URac ocorre umedecimento do produto; e 3) URg igual a URac ocorre Equilíbrio Higroscópio - não há fluxo de vapor.

Portanto, para que ocorra secagem é necessário que a umidade relativa do ar de secagem URac seja menor que a umidade relativa do ar do micro-clima. Para reduzir a umidade relativa do ar de secagem é recomendado aquecê-lo. Isto pode ocorrer naturalmente, por meio da radiação solar, ou então, artificialmente utilizando fornalhas a lenha ou queimadores a gás. Assim o ar de secagem tem o seu potencial de secagem aumentado. O que traduz em maior capacidade de: (i) transferir calor ao produto; e (i) transportar o vapor proveniente do produto. Didaticamente, o processo de secagem ocorre segundo três passos (Figura 1):

Primeiro: o ar de secagem cede calor ao grão. Isto força a umidade contida no grão a migrar para o micro-clima. Assim, a umidade relativa do ar no micro-clima - URg aumenta.

Segundo: pelo fato da umidade relativa do ar do micro-clima ser maior que a do ar de secagem, ou seja, URg maior que URac, é estabelecido o fluxo de vapor no sentido do micro-clima para o ar de secagem.

Terceiro Passo: como o ar se secagem repassou calor ao grão e recebeu vapor de água: (i) a sua temperatura diminui, e (i) sua umidade relativa aumenta. O ar de secagem passa então a ser denominado ar de exaustão. Quanto mais próxima de 100% for a umidade relativa do ar de exaustão - URae maior será a eficiência da secagem.

Umidade Calor

URg

Ar de secagem Ar Exausto

Vaporde Água URac

URae

Micro-clima

Figura 1 – Demonstração do processo de secagem

2. Modalidades de Secagem

A secagem de produtos agrícolas pode ser realizada de forma natural ou artificial.

Vide Figura 2. A secagem natural emprega a radiação solar para aumentar o potencial de secagem do ar. No Brasil, esta tem sido empregada para a secagem de café em terreiros e cacau em barcaças, como também por pequenos agricultores na secagem de milho e feijão em terreiros.

A grande desvantagem dessa modalidade é dependência das condições climáticas e a maior vantagem é o fato de propiciar menor ocorrência de grãos trincados e/ou quebrados.

UFES – Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Engenharia Rural Boletim Técnico: AG: 04/05 em 29/03/2005

Natural

Artificial Alta Temperatura

Baixa Temperatura Secador de Leito Fixo

Secador de Fluxos Cruzados Secador de Fluxos Concorrentes Secador de Fluxos Contracorrentes Secador de Fluxos Misto

Secagem de Grãos

Figura 2 – Classificação das modalidades de secagem de grãos

A secagem artificial consiste no emprego de artifícios para acelerar o processo. E isto configura nos secadores que se apresentam sob diferentes configurações e contêm acessórios como: (i) sistema de aquecimento do ar – fornalhas a lenha, ou queimadores de gás; (i) sistema de movimentação do ar – ventiladores, ou (ii) sistema de movimentação dos grãos - elevadores de caçambas, transportadores helicoidais ou fitas transportadoras.

(i) secagem a baixa temperatura, e (i) secagem a alta temperatura

Em função da temperatura do ar de secagem, a secagem artificial é subdividida em: 3. Secagem a Baixa Temperatura

Nesta modalidade, o ar de secagem é aquecido em no máximo 10oC acima da temperatura ambiente. O que em determinadas regiões é dispensado devido ao potencial de secagem do ar ambiente. Devido a temperaturas próximas a 30oC e umidade relativa do ar abaixo de 60%.

Estruturalmente, os secadores dessa modalidade configuram como silos, Figura 3, que possuem as seguintes características: (i) fundo perfurado; (i) capacidade estática máxima de 300 toneladas (5.0 sacas); e (i) altura de cilindro máxima de 6 metros. Quanto aos parâmetros de secagem: (i) o fluxo de ar deve estar entre 1,0 e 10 m3/min por tonelada de produto, (i) o silo deve possuir área de suspiros equivalente a 1,0 m2 para cada 300 m3/min de ar insuflado e (i) o enchimento do silo pode ser feito por etapas ou em uma única vez.

A secagem neste tipo de secador pode durar de 15 a 30 dias e depende da temperatura, umidade relativa e vazão do ar de secagem. O importante é que estes três parâmetros sejam definidos corretamente. Isto para que a secagem seja completada, sem a ocorrência de deterioração do produto.

Essa modalidade é altamente recomendada para a secagem de arroz, tendo em vista a alta susceptibilidade deste produto a trincas devido aos choques térmicos.

UFES – Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Engenharia Rural Boletim Técnico: AG: 04/05 em 29/03/2005 ar exausto ar de secagem

Aquecedor Produto seco

Frente de secagem Produto úmido

Figura 3 – Silo secador – secagem a baixa temperatura

4. Secagem a Alta Temperatura

Os secadores desta modalidade operam com temperaturas do ar de secagem superiores em mais 10oC a temperatura ambiente. E estes são classificados segundo dois critérios.

Primeiro, quanto aos sentidos dos fluxos do ar de secagem e da massa de grãos, os secadores podem ser de: (i) leito fixo, (i) fluxos cruzados, (ii) fluxos contracorrentes, (iv) fluxos concorrentes e (v) fluxos mistos - secador tipo cascata. E segundo, quanto à forma de funcionamento.

a) Secadores de leito fixo

A camada de grãos nestes secadores permanece estática durante a secagem. O modelo representado na Figura 4 dispõe de fornalha a lenha, ventilador e câmara de secagem com capacidade estática em torno de 5,0 toneladas. O tempo de secagem por carga é estimado em 5 horas. O fluxo de ar empregado varia de 1 a 10 m3/min.m2 de área da câmara de secagem. A temperatura do ar de secagem varia de 40 a 55oC.

Pelo fato do produto permanecer estático é recomendado o revolvimento a cada três horas. Assim, a secagem do produto dar-se-á uniformemente. Alguns fabricantes comercializam estes secadores com sistemas mecânicos para o revolvimento. Assim é dispensada a interrupção do processo de secagem.

O secador de leito fixo tem sido empregado na secagem de milho em espiga, feijão em ramas, café e arroz. O formato da câmara de secagem pode ser variado e esta pode ter o fundo inclinado para propiciar a descarga por gravidade.

Recentemente, foi introduzida no mercado brasileiro, uma outra configuração de secador de leito fixo. Esta consiste no emprego de um silo com características semelhantes ao representado na Figura 3. No entanto, a temperatura do ar de secagem é de 60oC. Este sistema conta com um conjunto de roscas-sem-fim, Figura 5, que promovem o revolvimento da massa de grãos durante a secagem. Ao final desta, o produto pode ser armazenado no próprio silo, ou então transferido para outro e assim armazenado, Figura 6.

UFES – Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Engenharia Rural Boletim Técnico: AG: 04/05 em 29/03/2005

Figura 4 – Secador de leito fixo, desenvolvido por pesquisadores da UFV

Figura 5 – Sistema de revolvimento de grãos

Figura 6 – Conjunto silo secador e silo armazenador b) Secadores de Fluxos Cruzados

Conforme a denominação, os fluxos de grãos e ar de secagem cruzam sob um ângulo de 90o na câmara de secagem. Este tipo de secador é o mais difundido mundialmente, devido à facilidade de construção. Na Figura 7 apresenta um secador com duas câmaras de secagem. Na primeira, a superior, há um ventilador axial e na segunda dois. Junto aos ventiladores existem os queimadores de gás.

Conforme o esquema da Figura 7, ocorre inversão de lado das colunas de grãos da primeira para segunda câmara de secagem. Isto é feito para homogeneizar o teor de umidade na massa de grãos. Pois, o produto que se encontra mais próximo à entrada do ar de secagem, torna-lo mais seco e aquecido.

UFES – Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Engenharia Rural Boletim Técnico: AG: 04/05 em 29/03/2005 c) Secador de Fluxos Contracorrentes

Nestes secadores os fluxos de grãos e ar de secagem ocorrem em sentidos contrários. Sendo que o fluxo de grãos ocorre no sentido da gravidade e o fluxo de ar em sentido ascendente.

Figura 7 – Secador de fluxos cruzados (Sukup Manufacturing Co.)

Na Figura 8 está esquematizada a configuração típica que conta com um silo dotado de: fundo perfurado, sistema de aquecimento, ventilador e sistema de movimentação de grãos. Em seu funcionamento, a frente de secagem permanece sempre junto ao fundo. À medida que ocorre a secagem, a camada de grãos seca é transportada para silos armazenadores ou então, é depositada na parte superior da massa de grãos. Para tanto, o sistema de movimentação de grãos é acionado por um termostato que monitora o avanço da frente de secagem. Quando o termostato detecta temperatura próxima a 70oC, é acionado o sistema de movimentação de grãos.

Produto secoar exausto Aquecedor

Frente de secagem

Produto úmido Termostado ar de secagem Figura 8 – Secador de fluxos contracorrentes d) Secador de Fluxos Concorrentes

São secadores em que os fluxos de ar de secagem e grãos têm o mesmo sentido de deslocamento. As configurações comerciais possuem (a) grandes alturas (b) vários estágios de secagem e descanso e (c) circuitos de reaproveitamento do ar de secagem.

UFES – Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Engenharia Rural Boletim Técnico: AG: 04/05 em 29/03/2005 e) Secador de fluxos mistos ou secador do tipo Cascata

Este é o modelo de secador mais utilizado pelas unidades armazenadoras brasileiras, disponibilizado com capacidades horárias de secagem de 15 a 250 t/horas.

Estruturalmente, esses secadores possuem uma torre central montada pela superposição vertical de caixa dutos. Uma caixa duto é formada por dutos montados em uma fileira horizontal. Um secador de 40 t/h possui em sua torre cerca de setenta caixas dutos. O nome cascata é definido devido à característica do movimento da massa de grãos por entre os dutos.

Conforme pode ser observado na Figura 9, 2/3 da altura da torre correspondem à câmara de secagem. Pelo lado esquerdo entra o ar de secagem com temperaturas entre 80 a 100oC. E do lado direito é procedida a sucção do ar exausto, que geralmente possui temperatura entorno de ± 7oC acima da temperatura ambiente.

Pirâmide de carga

Câmara de secagem

Câmara de resfriamento

Fornalha

Ventilador axial Fluxo de grãos

Fluxo de grãos

Ar ambiente

Ar exausto Ar de secagem

Tubo ladrão

Figura 9 - Secador de fluxos misto

O 1/3 inferior da altura da torre é destinado à câmara de resfriamento. Cujo objetivo é retirar calor da massa de grãos, deixando-a com temperatura próxima a ideal para a armazenagem. Para o secador esquematizado, ocorre o reaproveitamento do ar que sai da seção de resfriamento. Assim, ao invés de lançá-lo ao

UFES – Universidade Federal do Espírito Santo Departamento de Engenharia Rural Boletim Técnico: AG: 04/05 em 29/03/2005 ambiente, este é misturado ao ar de secagem, melhorando o rendimento do secador. Este conceito passou a ser empregado a partir dos anos 90.

O secador esquematizado na Figura 9 tem ventiladores colocados na parte superior. No entanto, estes podem estar na lateral ou junto à base. A função dos ventiladores é garantir a vazão de ar necessária à secagem. A mesma é constituída da mistura do ar proveniente: (i) da fornalha, 10%; (i) do misturador tangencial, também denominado “ciclone ou quebra-chamas”, 40%; e (i) da câmara de resfriamento, 50%.

Sobre a torre do secador está montada a Pirâmide de Carga. Neste local deve ser mantida uma quantidade de grãos que permita a torre sempre estar cheia. Isto evita a passagem direta do ar de secagem de um lado da torre para o outro. Esta medida além de representar economia de energia calorífica, também evita o superaquecimento dos motores elétricos dos ventiladores e a ocorrência de incêndio.

Nota: O secador esquematizado na Figura 9 apresenta somente um circuito de reaproveitamento do ar de secagem. Atualmente estão sendo introduzidos no mercado secadores com circuitos duplos.

5. Classificação quanto ao funcionamento

Quanto ao funcionamento, os secadores são classificados em contínuos e intermitentes. Contínuos quando o produto necessita passar uma só vez pelo secador para atingir o teor de umidade desejado. Enquanto, para os intermitentes o produto necessita recircular por várias vezes.

(Parte 1 de 2)

Comentários