Racre - 2006-11

Racre - 2006-11

(Parte 1 de 3)

O autor Jame C. Hunter é Consultor-chefe da J. D. Associados, uma empresa de consultoria de relações de trabalho e treinamento. Com mais de 20 anos de experiência. No livro O Monge e o Executivo ele conta a história de John Daily, um homem de negócios bem-sucedido que percebe, de repente, que está fracassando como chefe, marido e pai.

Numa tentativa desesperada de retomar o controle da situação, ele decide participar de um retiro sobre liderança num mosteiro beneditino, comandado pelo frade Leonard Hoffman, um influente empresário americano que abandonou tudo em busca de um novo sentido para sua vida. O livro é apresentado em sete capítulos.

No primeiro capitulo intitulado As

Definições o autor aborda as definições do dia-adia. A vida nos apresenta diariamente situações, nas quais temos que definir e decidir ações, no entanto para decidir é necessário ter em mente que é importante tratar os outros seres humanos exatamente como gostaríamos que eles nos tratassem. Nesse processo de decidir é fundamental termos a humildade de admitir que não sabemos tudo e sempre temos a aprender um com o outro, independentemente do nível sócio-cultural, juntos somos mais sábios do que cada um sozinho. E para isso é necessário saber ouvir, ouvir é uma das habilidades mais importantes que um líder pode escolher para desenvolver. Quando se interrompe a pessoa ao meio de uma frase, enviam-se mensagens negativas:

Primeiro: se você interrompe, é porque não estava prestando muita atenção ao que o outro dizia, já que sua cabeça esta ocupada com a resposta.

Segundo: se você se recusa a ouvir, não está valorizando a opinião de quem está falando.

Terceiro: você deve acreditar que o que tem a dizer é muito mais importante do que o outro tem a dizer. Os sentimentos devem ser expressos através de suas ações.

Porém se faz necessário falar quando se tem vontade, vontade de falar é aquela sensação que você tem uma contribuição a dar.

Nós nos comprometemos, voluntariamente, a uma série de coisas: ser pai ou mãe, marido ou esposa, professor ou professora e a ser líder. Não somos forçados a desempenhar esses papéis. Não devemos esquecer que quando somos líderes há muitas coisas em jogo, as pessoas contam com o líder. Temos que tomar decisões pessoais que vão atingir outras pessoas; exercer influências; doar-se pessoalmente.

Liderança: é a habilidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente, visando

O Monge e o Executivo - Uma

História sobre a Essência da

Liderança

João Delbin Mestre em Engenharia Urbana, Administrador de Empresas,

Professor Universitário e Consultor de Empresas na área de Gestão de Pessoas.

Importante tratar os outros seres humanos exatamente como gostaríamos que eles nos tratassem.

66RACRE - Rev. Adm. CREUPI, Esp. Sto. do Pinhal - SP, v. 05, n. 09, jan./dez.2005 atingir aos objetivos identificados como sendo para o bem comum.

No entanto para entender melhor o que é influenciar os outros a fazerem o que desejamos, a receber nossas idéias, terem confiança, serem criativas e buscarem a excelência se faz necessário entender os componentes de como se desenvolve esse tipo de influência e a diferença entre poder e autoridade.

Poder: é a faculdade de forçar ou coagir alguém a fazer sua vontade, por causa de sua posição ou força, mesmo que a pessoa preferisse não o fazer.

Autoridade: a habilidade de levar as pessoas a fazerem de boa vontade o que você quer, por causa de sua influência pessoal.

Lembremos que não é necessário ter cérebro ou coragem para exercer o poder, porém estabelecer autoridade sobre pessoas requer um conjunto especial de habilidades. O poder pode ser vendido e comprado, dado e tomado, o poder corroe o relacionamento. A autoridade não, a autoridade diz respeito ao que você é como pessoa, a seu caráter e à influência que você estabelece sobre as pessoas. O ideal é que as pessoas com poder tenham também autoridade.

Alguns de nossos hábitos são traços característicos, continuam a evoluir e amadurecer em altos níveis, enquanto outros mudam pouco. O desafio para o líder é escolher os traços que precisam ser trabalhados.

Ao trabalhar com pessoas e conseguir que as coisas se façam através delas, sempre haverá duas dinâmicas em jogo: a tarefa e o relacionamento. Há necessidade de não se perder o equilíbrio. O líder que não estiver cumprindo as tarefas e só se preocupar com o relacionamento não terá sua liderança assegurada. A chave para a liderança é executar as tarefas enquanto se constroem os relacionamentos.

No entanto há um ingrediente muito importante no relacionamento, é a confiança. Sem confiança é difícil ou mesmo impossível conservar um relacionamento. A confiança é a cola que gruda os relacionamentos. Sem níveis básicos de confiança, os casamentos de desfazem, as famílias se dissolvem, as organizações tombam, os países desmoronam.

O segundo capítulo O Velho Paradigma.

Mostra que não são as coisas materiais que nos trazem alegria na vida. Os maiores prazeres da vida são totalmente grátis. Pensem no amor, no casamento, na família, nos amigos, filhos, netos, no nascer e pôr-do-sol, nas noites de lua, nas estrelas brilhando, nas criancinhas, nos dons do tato, gosto, olfato, audição, visão, na boa saúde, nas flores, lagos, nuvens, sexo, na capacidade de fazer escolhas e na própria vida.

Talvez tenhamos que quebrar velhos paradigmas. Porém há necessidade de se entender o que é paradigma. Paradigmas são simplesmente padrões psicológicos, modelos ou mapas que usamos para navegar na vida. Nossos paradigmas podem ser valiosos e até salvar vidas quando usados adequadamente, mas perigosos se os tomamos como verdades absolutas, sem aceitarmos qualquer possibilidade de mudança, e deixarmos que eles filtrem as nossas informações e as mudanças que acontecem no correr da vida. Agarrar-se a paradigmas ultrapassados pode nos deixar paralisados enquanto o mundo passa por nós.

Desafiar os velhos caminhos requer muito esforço, mas acomodar-se nos paradigmas passados também. O mundo está mudando tão rapidamente que podemos ficar paralisados se não desafiarmos nossas crenças e paradigmas. Se as mudanças são necessárias porquê tanto as pessoas têm dificuldades em mudar? A mudança nos desinstala, nos tira da nossa zona de conforto, e nos força a fazer as coisas de modo diferente, o que é difícil.

Quando nossas idéias são desafiadas, somos forçados a repensar nossa posição, que é sempre desconfortável. É por isso que, em vez de refletir sobre seus comportamentos e enfrentar a árdua tarefa de mudar seus paradigmas, muitos se contentam em permanecer para sempre paralisados em seus pequenos trilhos. São sempre as pessoas corajosas da linha de frente que desafiam e fazem as perguntas que abrirão caminho para as outras.

67RACRE - Rev. Adm. CREUPI, Esp. Sto. do Pinhal - SP, v. 05, n. 09, jan./dez.2005

Velho Paradigma Organizacional

Novo Paradigma Organizacional Clientes

Clientes

No velho paradigma as pessoas se empenham, sobretudo para manter o patrão feliz. E, quando todo mundo se empenha em manter o patrão feliz, quem se preocupa em manter o cliente feliz?

Já no novo paradigma o foco principal é servir o cliente, os empregados da linha de frente devem estar servindo os clientes e garantindo que suas verdadeiras necessidades estejam satisfeitas. Já os supervisores da linha de frente vêem os empregados com clientes e se dedicam a identificar e preencher suas necessidades. E assim por diante, pela pirâmide abaixo. Isso iria requerer que cada gerente adotasse uma nova atitude, um novo paradigma, reconhecendo que a função do líder não é impor regras e dar ordens à camada seguinte. Em vez disso, o papel do líder é servir. Servindo melhores líderes, identificando e satisfazendo necessidades. Olhe bem, atender necessidades e não vontades.

Vontade é simplesmente um anseio que não considera as conseqüências físicas ou psicológicas daquilo que deseja. Uma necessidade, por outro lado, é uma legítima exigência física ou psicológica para o bem-estar do ser humano.

No entanto as pessoas são diferentes uma das outras, assim têm necessidades diferentes, e por isso o líder precisa ser flexível. O papel do líder é identificar e satisfazer as legítimas necessidades das pessoas. O líder se pergunta constantemente: quais são as necessidades das pessoas que lidero?

Se o líder não consegue identificar quais são as necessidades dos que trabalham com ele, deve perguntar-se: quais são as suas necessidades? Isso ajudará a descobrir a dos outros.

O terceiro capitulo O Modelo apresenta o novo modelo de liderança.

Relembrando: liderança é a capacidade de influenciar pessoas para trabalharem entusiasticamente na busca de objetivos identificados como sendo para o bem comum. Diante dessa definição surge a pergunta. Quem teria sido o maior líder de todos os tempos? Jesus Cristo. Ninguém, vivo ou morto personifica essa definição como Jesus Cristo. Ninguém pode negar que Jesus Cristo influenciou bilhões, hoje e ao longo da história. Jesus simplesmente disse que para liderar você tem que servir. Jesus não usava o estilo do poder porque não tinha poder, ele influenciava o outro porque tinha autoridade. Qual seria o modelo de liderança?

Empregados Supervisores

Gerentes Intermediários

Vice Presidente Presidente

Empregados Supervisores

Gerentes Intermediários

Vice Presidente Presidente

Liderança Autoridade

Serviço e Sacrifício

Amor Vontade

Modelo de Segurança

(Parte 1 de 3)

Comentários