O uso da curva ABC nas empresas

O uso da curva ABC nas empresas

O uso da curva ABC nas empresas

Moacir Pereira

O princípio da classificação ABC ou curva 80 – 20 é atribuído a Vilfredo Paretto, um renascentista italiano do século XIX, que em 1897 executou um estudo sobre a distribuição de renda. Através deste estudo, percebeu-se que a distribuição de riqueza não se dava de maneira uniforme, havendo grande concentração de riqueza ( 80% ) nas mãos de uma pequena parcela da população ( 20% ).

A partir de então, tal princípio de análise tem sido estendido a outras áreas e atividades tais como a industrial e a comercial, sendo mais amplamente aplicado a partir da segunda metade do século XX.

O desenvolvimento e a utilização de computadores cada vez mais baratos e potentes tem possibilitado o surgimento de "softwares mais amigáveis" que conduzem ao rápido e fácil processamento do grande volume de dados, muitas vezes requerido por este tipo de análise, principalmente em ambientes industriais.

A curva ABC tem sido bastante utilizada para a administração de estoques, para a definição de políticas de vendas, para o planejamento da distribuição, para a programação da produção e uma série de problemas usuais de empresas, quer sejam estas de características industriais, comerciais ou de prestação de serviços.

Trata-se de uma ferramenta gerencial que permite identificar quais itens justificam atenção e tratamento adequados quanto à sua importância relativa.

A Técnica ABC

Classicamente uma análise ABC consiste da separação dos itens de estoque em três grupos de acordo com o valor de demanda anual, em se tratando de produtos acabados, ou valor de consumo anual quando se tratarem de produtos em processo ou matérias-primas e insumos. O valor de consumo anual ou valor de demanda anual é determinado multiplicando-se o preço ou custo unitário de cada item pelo seu consumo ou sua demanda anual.

Assim sendo, como resultado de uma típica classificação ABC, surgirão grupos divididos em três classes, como segue:

  • Classe A : Itens que possuem alto valor de demanda ou consumo anual.

  • Classe B : Itens que possuem um valor de demanda ou consumo anual intermediário.

  • Classe C : Itens que possuem um valor de demanda ou consumo anual baixo.

Uma classificação ABC de itens de estoque tida como típica apresenta uma configuração na qual 20% dos itens são considerados A e que estes respondem por 65% do valor de demanda ou consumo anual. Os itens B representam 30% do total de número de itens e 25% do valor de demanda ou consumo anual. Tem-se ainda que os restantes 50% dos itens e 10% do valor de consumo anual serão considerados de classe C.

Embora reconheça-se que tais percentuais de classificação possam variar de empresa para empresa, é importante observar que o princípio ABC no qual uma pequena percentagem de itens é responsável por uma grande percentagem do valor de demanda ou consumo anual, normalmente ocorre.

Apesar da configuração acima ser válida como "padrão típico", em se tratando de curva ABC a classificação não deve ter como regra rígida ser composta por três classes.

Assim, uma análise ABC deve obrigatoriamente refletir a dificuldade de controle de um item e o impacto deste item sobre os custos e a rentabilidade, o que de certa maneira pode variar de empresa para empresa. Deve-se ter em mente ainda que, apesar da análise ABC ser usualmente ilustrada através do valor de consumo anual, este é apenas um dos muitos critérios que pode afetar a classificação de um item.

A seguir, alguns fatores que afetam a importância de um item e que podem ser utilizados como critérios qualificadores numa análise ABC:

- custo unitário;

  • cuidados de armazenagem para um item;

  • custos de falta de material;

  • mudanças de engenharia (projeto).

Classificando os Estoques e Determinando Prioridades

Em várias empresas, uma análise ABC é preparada frequentemente para determinar o método mais econômico para controlar itens de estoque, pois, através dela torna-se possível reconhecer que nem todos os itens estocados merecem a mesma atenção por parte da administração ou precisam manter a mesma disponibilidade para satisfazer os clientes. Assim, conduzir uma análise ABC é com freqüência um passo muito útil no projeto de um programa de ação para melhorar a performance dos estoques, reduzindo tanto o capital investido em estoques como os custos operacionais.

Dentro do critério ABC, podem-se estabelecer níveis de serviços diferenciados para as diversas classes, por exemplo: 99% para itens A, 95% para itens B e 85% para itens C, de forma a reduzir o capital empregado em estoques, ou podem-se usar métodos diferentes para controlar o estoque e, assim, minimizar o esforço total de gestão.

Do exposto acima, decorre que os materiais considerados como classe A merecem um tratamento administrativo preferencial no que diz respeito à aplicação de políticas de controle de estoques, já que o custo adicional para um estudo mais minucioso destes itens é compensado. Em contrapartida, os itens tidos como classe C não justificam a introdução de controles muito precisos, devendo receber tratamento administrativo mais simples. Já os itens que foram classificados como B poderão ser submetidos a um sistema de controle administrativo intermediário entre aqueles classificados como A e C.

Tais considerações valem tanto para ambientes nos quais busca-se gerenciar a formação de estoques por demanda dependente – ex: modelos como MRP e Kanban, como para ambientes nos quais gerencie-se a formação de estoques por demanda independente – ex: modelos como ponto de pedido, reposição periódica ou estoque mínimo.

É inegável a utilidade da aplicação do princípio ABC aos mais variados tipos de análise onde busca-se priorizar o estabelecimento do que é mais ou menos importante num extenso universo de situações e, por conseqüência, estabelecer-se o que merece mais ou menos atenção por parte da administração, particularmente no que diz respeito às atividades de gestão de estoques.

Porém, a simples aplicação do princípio ABC sem considerar aspectos diferenciados inerentes aos materiais quanto à sua utilização, aplicação e aquisição, poderá trazer distorções quanto à classificação de importância e estratégias de utilização dos mesmos.

kplus.cosmo.com.br/materia.asp?co=5&rv=Vivencia

SISTEMA ABC DE CONTROLE DE ESTOQUESO controle de estoque é exercido pelo controle de itens individuais, chamadounidade para armazenagem em estoque. No controle de estoque, quatro perguntasdevem ser respondidas:Qual é a importância do item do estoque?Como os itens são controlados?Quantas unidades devem ser pedidas de cada vez?Quando um pedido deve ser emitido?O sistema de classificação ABC de estoques responde às primeiras duas perguntas,determinando a importância dos itens permitindo assim diferentes níveis decontrole baseados na importância relativas dos itens.A maioria das empresas mantém um grande número de itens no estoque .Para se terum controle melhor a um custo razoável, é útil classificar os itens de acordocom sua importância. Geralmente, essa classificação baseia na utilização anualem valores monetários, mas outros critérios podem ser utilizados.O princípio ABC baseia-se na observação de que um pequeno número de itensfreqüentemente domina os resultados atingindo em qualquer situação. Essaobservação foi feita pela primeira vez por um economista italiano, VilfredoPareto. Aplicada a administração de estoques, observa –se geralmente que arelação entre a porcentagem de itens e a porcentagem da utilização anual emvalores monetários segue um padrão em que :Cerca de 20% dos itens correspondem a aproximadamente 80% da utilização emvalores monetários.Cerca de 30% dos itens correspondem a aproximadamente 15% da utilização emvalores monetários.Cerca de 50% dos itens correspondem a aproximadamente 05% da utilização emvalores monetários.As porcentagens são aproximadas e não devem ser tomadas como absolutas. Essetipo de distribuição pode ser utilizado no controle de estoques.Passos da análise ABCEstabelecer as características do item que influenciam os resultados daadministração de estoques. Geralmente, toma-se a utilização em valoresmonetários, mas podem também ser adotados outros critérios , como a escassez domaterial.Classificar os itens em grupos com base nos critérios estabelecidos.Aplicar um grau de controle que seja proporcional a importância do grupo.Os fatores que afetam a importância de um item inclui a utilização anual emvalores monetários, o custo da unidade e a escassez de material.Controle baseado na classificação ABCUtilizando a abordagem ABC , existem duas regras gerais a seguir:Ter grande número de itens de baixo valor. Os itens C representam cerca de 5% dovalor total do estoque. Manter um estoque extra de itens C acrescenta pouco aovalor total do estoque. Os itens C são realmente importantes apenas de houveruma falta de um deles. Quando se torna extremamente importantes- portanto deveser mantido sempre um estoque disponível. Por exemplo, pedir um suprimento paraum ano de uma única vez e manter um estoque de segurança suficiente. Desse modo,haverá a possibilidade de um esvaziamento do estoque uma vez por ano.Utilizar o dinheiro e o esforço de controle economizados para reduzir o estoquede itens de alto valor.Os itens A representam cerca de 20% dos itens eaproximadamente 80% do valor do estoque. São extremamente importantes e merecemo controle mais cerrado e a revisão mais freqüente.Controles diferentes utilizados com classificações diferentes podem ser osseguintes:Itens A: Altas prioridades. Um controle cerrado, incluindo registros completos eprecisos, revisões regulares e freqüentes por parte da administração, revisãofreqüente das previsões da demanda, seguimento minucioso e agilização parareduzir o Lead Time.Itens B: Prioridade Média. Controles normais com bons registros, atenção regulare processamento normal.Itens C: Prioridade Menor. Os mais simples controle possíveis – deve-se garantirque os itens sejam suficientes. Nenhum registro ou registro simples: talvezutilizar um sistema two bin ou um sistema de revisão periódica. Fazer pedidos emgrandes quantidades e manter um estoque de segurança.João Carlos Figueiredo - São Paulo/SP

br.groups.yahoo.com/group/clubedalogistica/message/57

Comentários