Ludicidade

Ludicidade

(Parte 1 de 3)

Profº Silvio César dos Santos Souza E mail: tatu.scss @itelefonica.co m.br nQual o papel dos jogos e brincadeiras na educação infantil?

Compreender o valor dos jogos e atividades lúdicas na nCompreender o valor dos jogos e atividades lúdicas na educação infantil como subsídios eficazes para a construção do conhecimento realizado pela própria criança .

nDesenvolver estudos sobre situações de jogos e brincadeiras que proporcionem às crianças a estimulação necessária para sua aprendizagem.

nSegundo DAMASIO, “a mente não seria o que é se não existisse uma interação entre o corpoe o cérebrointeração entre o corpoe o cérebro no movimento evolutivo, o desenvolvimento individual e a interação com o ambiente”.

nA brincadeira se caracteriza por alguma estruturação e pela utilização de regras. A brincadeira é uma atividade que pode ser tanto coletiva quanto individual. Na brincadeira a coletiva quanto individual. Na brincadeira a existência das regras não limita a ação lúdica, a criança pode modificá-la, ausentar-se quando desejar, incluir novos membros, modificar as próprias regras, enfim existe maior liberdade de ação para as crianças.

nHá 07 tópicosimportantes para entendermos o brincar

1 –O brincar e a criança; 2 -O papel do educador na educação lúdica;2 -O papel do educador na educação lúdica; 3 –Brincar é importante; 4 –por que nem todas as crianças brincam; 5 –Critérios para a escolha dos brinquedos; 6 –Segurança dos brinquedos; 7 –Reflexão sobre o brincar.

Declaração universal dos direitos da criança –ONU (20/1/1959); nAssociação Internacional pelo direito da nAssociação Internacional pelo direito da

Os princípios norteadores da

Associação Internacional -IPA BRINCARé essencial para a saúde física e mental das crianças.

BRINCARfaz parte do processo da formação educativa do ser hu mano

BRINCARBRINCARé fundamental para a vida familiar e comunitária

A criança precisa de tempo para B B BBRINCARem seu tempo de lazer

As necessidades da criança devem ter prioridades no planejamento do equipamento social.

nCriação de espaços lúdicos estruturados; nOrganização sistemáticas de ações de formação lúdica de recursos humanos nCampanhas formativas e informativas sobre a importância do brincar; nCriação de centros de pesquisa, de documentação e assessoria sobre jogos ou materiais lúdicos.

¤É imprescindível que haja riqueza e diversidade nas experiências que lhes são oferecidas nas instituições;

¤A brincadeira é uma linguagem infantil;

¤Os conhecimentos da criança provém da imitação de alguém ou ¤Os conhecimentos da criança provém da imitação de alguém ou de algo conhecido;

¤É no ato de brincar que a criança estabelece os diferentes vínculos;

¤Para brincar é necessário que a criança tenham independência para escolher seus companheiros.

nO BRINCARSocial–reflete o grau nos quais as crianças interagem umas com as outras; nO BRINCARCognitivo revela o nível de desenvolvimento mental da criança.

n O B RI N C A R tradicional; nO BRINCARde faz-de-conta; nO BRINCARde construção; n O B RI N C A R educativo.

nA imitação; nO espaço; nA fantasia;nA fantasia; nAs regras; nOs valores nPara entender o universo lúdicouniverso lúdicoé fundamental compreender o que é brincar e para isso, é importante brincar e para isso, é importante conceituar palavras como jogo, brincadeira e brinquedo, permitindo assim aos professores trabalhar melhor as atividades lúdicas.

nÉ de fundamental importância para as Escolas:

nGarantir a formação do professor e nGarantir a formação do professor e condições de atuação.

nGANHA EM QUALIDADE SE, EM SUA

-Formação teórica;

- For mação Pedagógica;

-Formação Lúdica.

nDefinição de critérios: A duração de um envolvimento em determinado jogo; As competências dos jogadores envolvidos;

O grau de iniciativa, criatividade, autonomia e criticidade que o jogo proporciona ao participante;que o jogo proporciona ao participante;

A verbalização e linguagem que acompanham o jogo;

O grau de interesse, motivação, satisfação, tensão aparentemente durante o jogo;

Construção do conhecimento; Evidencias de comportamento social nPodemos registraras ações lúdicas a partir da: n Observação; n Registro; n Análise n Trata mento.n Trata mento.

Diagnóstico: idéias; valores interessantes e necessidades do coletivo ou do individuo; estágio de desenvolvimento da criança; comportamento dos envolvidos nos diferentes ambientes lúdicos; conflitos, problemas, valores etc.

nNas brincadeiras coordenadas, o papel do professor deve ser o de mediador, proporcionando a socialização do grupo, a integração e participação das pessoas envolvidas, favorecendo atitudes de respeito, aceitação, confiança e conhecimento mais amplo da realidade social e cultural.

Além de oportunizar situações de aprendizagens nAlém de oportunizar situações de aprendizagens específicas e aquisição de novos conhecimentos, dando condições para que a criança explore diferentes materiais, objetos e brinquedos. É importante que o professor planeje os objetivos que quer atingir, bem como o tempo e o espaço que a brincadeira deve acontecer.

nA brincadeira infantilpermite que a criança reviva suas alegrias, seus conflitos e seus medos, resolvendo à sua maneira e transformando a realidade.

nO professordeve, nessa fase, variar os objetos nO professordeve, nessa fase, variar os objetos oferecidos para a criança, deixando que elas explorem e criem situações através de jogos.

nComo exemplo, os encaixes, as sucatas, as fantasias, os fantoches, as máscaras, as caixas, entre outros, possibilitam que elas criem diferentes formas de brincar com os objetos.

nA brincadeiraé uma atividade espiritual mais pura do
de seu bem e dos outrosO brincar, em qualquer

BRINCAR LIVRE homem neste estágio e, ao mesmo tempo, típico da vida humana enquanto todo –da vida natural/interna do homem e de todas as coisas. Ela dá alegria, liberdade, contentamento, descanso externo e interno, e paz com o mundo (...) A criança que brinca sempre, com mundo (...) A criança que brinca sempre, com determinação auto-ativa, perseverando, esquecendo sua fadiga física, pode certamente tornar-se um homem determinado, capaz de auto-sacrifício para a promoção tempo, não é trivial, é altamente sério e de profunda significação” (Kishimoto, 1999, apud Froebel, p.23).

Pode propor desafios a partir da escolha dos jogos, brinquedos ou brincadeiras determinadas por uma adulto ou responsável.

nObjetivos 1:

Conhecimentos específicos como: Mate mático s;Mate mático s;

Lingüístico s; Hist órico s; Físico s; Est ético s; Culturais; Naturais; Morais etc.

nObjetivos 2:

Desenvolvi mento cognitivo;

Afetivo;Afetivo;

Social;

Motriz;

(Parte 1 de 3)

Comentários