Dicas de alimentação durante o tratamento de câncer

Dicas de alimentação durante o tratamento de câncer

(Parte 1 de 4)

Dicas de alimentação durante o tratamento do câncer

Comida que cuida

Comida que cuida

Dicas de alimentação durante o tratamento do câncer

(Nina Horta, no livro Não É Sopa)

Comunicação Corporativa sanofi-aventis

TEXTO E EDIÇÃO Cris Ramalho

Luciana Cury

ILUSTRAÇÕES Priscila Liu

Dr. Marcello Pedreira – CRM 65377

REVISÃO NUTRICIONAL Nutricionistas da Clínica Médica do Hospital do Câncer A.C. Camargo: Luciene Assaf de Matos – CRN 10210 Monica Macedo dos Santos – CRN 10813 Tatiana de Oliveira – CRN 7508

COLABORAÇÃO E AGRADECIMENTOS Ana Adelaide C. Antunes Teich, Daniela Kappes Petrochi, Fernanda Schettino, Francisco Wisintainer, Ricardo Caponero, Sueli Cabral Duarte

As informações e sugestões contidas neste livro têm apenas finalidade educacional e informativa e traduzem o melhor entendimento dos conhecimentos disponíveis sobre o tema pelos colaboradores dessa obra. Elas não substituem, em qualquer hipótese, o diagnóstico, o tratamento ou as recomendações do seu médico ou nutricionista, nem devem servir de subsídio para automedicação. Somente o médico está apto a prescrever a melhor conduta para o seu caso.

À sua saúde 9

Apresentação 1

Comida é um modo de se ligar à vida 13

A cozinha a seu favor 21

Energia é o que você precisa 31

Dieta sob medida 39

Quanto mais proteína, melhor 57

O tempero da vida 65

Receitas amigas 79

Referências 146 Índice de receitas 149 essencial é a Saúde”, assim mesmo, com S maiúsculo, significa muito mais do que a simplicidade dessas palavras faz supor. Saúde, para a sanofi-aventis, significa trabalhar com precisão, eficiência e, claro, carinho, sempre em benefício do paciente. É a tradução, a cada dia, da busca pelo que há de mais moderno, nas pesquisas científicas, no emprego dos melhores talentos, tudo para descobrir medicamentos ainda tão esperados. E tão necessários.

É o compromisso da sanofi-aventis com a qualidade de vida, além da abordagem terapêutica. A Saúde em todos os seus aspectos: do apoio às causas humanitárias e às campanhas de solidariedade, dos projetos culturais, sociais e de valorização da auto-estima; da relação mais próxima com a comunidade, até o olhar atento, tão fundamental, para o que está ao redor do paciente. Os cuidados com a alimentação, os instantes de bem-estar, a generosidade com o próximo.

Em Comida que Cuida, o objetivo é orientar você a se alimentar bem e a se cuidar, para superar rapidamente esta fase difícil de tratamento contra o câncer.

Do texto carinhoso da jornalista Cris Ramalho ao visual acolhedor criado pela designerLuciana Cury, passando pelas receitas e dicas preciosas de nutricionistas e colaboradores, Comida que Cuidaé um convite para uma deliciosa viagem por cheiros, sabores e temperos de nossa infância. Um verdadeiro estimulante do apetite de viver, dos pequenos momentos do dia-a-dia e da prosa boa na mesa com os familiares e os amigos mais queridos.

om capricho e com afeto – como nossas avós e mães, espertas, nos ensinam desde a infância – uma comida gostosa é garantia certa de alto-astral e aconchego, ingredientes tão necessários para a vida e, muito mais, durante o tratamento de uma doença.

Neste livro, você vai encontrar algumas dicas para se alimentar melhor nesta fase de tratamento do câncer. Uma alimentação equilibrada, a gente sabe, faz parte do processo de recuperação de qualquer pessoa doente. Bem nutrido, o corpo reage melhor às medicações, ganha energia para enfrentar as terapias necessárias e é capaz de driblar eventuais infecções que possam aparecer. A maioria delas, aliás, passa longe de um corpo bem cuidado.

As dicas aqui apresentadas vão ajudá-lo a entender por que seu corpo precisa, neste momento, desse ou daquele alimento, e como alguns nutrientes podem ser valiosos para contornar os enjôos desagradáveis ou as reações que podem surgir ao tomar alguns dos remédios.

Sim, o tratamento muitas vezes é penoso, difícil e, no meio de tantos problemas, muita gente até perde a vontade de comer. Não queremos que isso lhe aconteça. E, para lembrar como comer pode ser bom, no final do livro damos uma série de receitas deliciosas, elaboradas com especial carinho para quem está enfrentando o câncer. O melhor de tudo é que foram sugeridas por quem realmente entende do assunto: médicos, nutricionistas, nutrólogos e pacientes com a doença.

São idéias para a preparação de pratos “do bem” que, além de saborosos e originais, são de grande auxílio durante esse período de tratamento.

Então, aproveite bem este pequeno manual que a sanofi-aventis preparou especialmente para você. Mas não se esqueça de consultar sempre seu médico ou um nutricionista quando tiver dúvidas ou quiser inovar na alimentação.

Bom apetite!

Comida é um modo de se ligar à vida Comida é um modo de se ligar à vida

Comer bem e “em cores” é fundamental para o organismo ficar bem equilibrado, assim como para o corpo que precisa recuperar seu ponto de equilíbrio. Bom, isso vale tanto para o organismo saudável quanto para aquele que passa por um período de tratamento e recupera-se de alguma doença.

Um prato colorido é quase sempre garantia de estarmos ingerindo, na dose certa, os nutrientes necessários ao nosso organismo. São eles as vitaminas, as proteínas, os lipídios, os carboidratos, as fibras e os sais minerais. Quanto mais colorido, mais saudável: então, lembre-se de colocar sempre no prato uma boa dose de verde – verduras e legumes crus ou cozidos (vitaminas e sais minerais); uma bela pincelada de tom solar, como o vermelho da carne ou o amarelo ovo (representando as proteínas) e, para completar, cores clarinhas, beges, amarelinhos, o branco – presentes no pão, nas massas e arroz (carboidratos) ou tons suaves de roxinho, verdes claros, beges dourados, como o feijão, a lentilha, a soja (leguminosas ou grãos) e a aveia, farinhas (os cereais, sempre fundamentais).

Para beber, suco de frutas de todos os tons (grande fonte de vitaminas).

Experimente, a cada dia, variar seu prato substituindo os alimentos: tente não repetir os legumes, as verduras e as frutas do dia anterior; substitua a carne vermelha por frango ou peixe; procure comer, ao máximo, os vários tipos de grãos disponíveis – lentilha, ervilha, feijão, grão de bico, soja, entre outros. A cada dia, novas combinações de cores e de ânimos no prato.

Sim, o almoço ganha outra cara. E você, um novo estímulo para comer com gosto. Sua dieta não precisa ter um visual diferente da comida do restante da

“Todas as mulheres, ao dar de comer, entoam a mais antiga das canções:

a canção da vida”

(Leila Kuczynski, chefdo restaurante Arábia) família. E sentar à mesa tem de ser um prazer, sempre. A prosa boa, a generosidade de partilhar o alimento com quem chega, os pequenos gestos, todos os tons vão compondo a canção da vida.

enjôo. Só de pensar em carne você já fica enjoadoovo, então, nem pensar. A boca
está seca e os alimentos perdem seu gosto originalNada de desânimo, sempre há

Às vezes, quando os dias parecem impossíveis, nem mesmo as cores e a variedade dos alimentos têm o poder de despertar seu apetite ou de acabar com o uma solução! Nessa hora, o corpo é o nosso melhor guia. O segredo é fazer como as crianças, sábias: comer o que lhe apetece, viver o melhor do momento. Pode ser uma fruta fresca ou mesmo uma bela salada de folhas e legumes. Escolha o que lhe parecer mais gostoso e evite aquilo que traz a idéia de mal-estar.

Fundamental mesmo é não ficar de estômago vazio – nunca! E um mesmo alimento, preparado de formas diversas, pode ter efeitos diferentes no organismo. A carne ensopada não caiu bem? Quem sabe grelhada, com aquele cheirinho de churrasco, não fica mais apetitosa? Tente descobrir que tipo de preparo é o mais atraente quando o corpo ameaça reagir com enjôo. E, sobretudo, procure se distrair com algo leve, divertido – alugue uma comédia, desenhe com seus filhos ou vá dar uma volta e compre um sorvete. Faça o que lhe der na telha. Você merece. Cuidar do seu astral é tão importante quanto se manter bem alimentado. E aqui vão algumas dicas para a comida cair muito bem no seu organismo:

Andar num dia de sol chupando um picolé, além de astral de canção bossa-nova, tem efeito terapêutico. Boca seca é um sintoma desagradável porque muda o gosto dos alimentos e torna a mastigação mais difícil. Chupar picolé (de preferência sem açúcar), mastigar chiclete sem açúcar e beber muita água são boas pedidas para aliviá-la. Prefira ainda alimentos macios, como purê de batata (tem comida com mais cara de feita pela mãe?) e faça molhos diversos para deixar os alimentos umedecidos. Para os lábios não racharem, use sempre um protetor, como batom ou manteiga de cacau.

Intestino desregulado é algo comum durante o tratamento – tanto pode ficar preso como solto; e as duas hipóteses não são nada agradáveis.

Se for uma diarréia persistente, o organismo pode perder nutrientes importantes, como vitaminas, sais minerais e água. Para enfrentar esse sintoma, sem perder o pique, beba muita água. A comida deve ser ingerida aos poucos, várias vezes ao longo do dia. Coma banana, goiaba, melão, maracujá, caldo de legumes, água de coco, para repor o potássio, cuja perda é muito comum na diarréia. E reduza as fibras – ou seja, dê um tempo nas frutas como mamão, laranja, mexerica, ameixa preta e nos vegetais folhosos. Vá de iogurte, queijo branco, suco de uva, batatas fervidas e amassadas e pão branco. Corte temporariamente o leite, os queijos amarelos e os doces à base de leite. Se for comer carne, prefira frango ou peru sem pele, peixe ou a parte magra do boi; mas evite fritá-las.

“A infância nada mais é do que a sensação de que viver é de graça.”

(Paulo Mendes Campos) objetiva, concreta, jamais abstrata, a que está ligada à vida e à saúde humana

Cora Coralina

(Parte 1 de 4)

Comentários