Manual de ferramentas da qualidade

Manual de ferramentas da qualidade

(Parte 1 de 2)

Assunto pág.

Brainstorming 01 4Q1POC 03 Diagrama de Causa e Efeito 04 Fluxograma 07 Gráficos 10 Lista de Verificação Simples 15 Lista de Verificação de Freqüencia 17 Matriz de Preferência 19 PDCA 21 Relatório de Auditoria 24

O que é?

Brainstorming é a mais conhecida das técnicas de geração de idéias. Foi originalmente desenvolvida por Osborn, em 1938. Em Inglês, quer dizer “tempestade cerebral”. O Brainstorming é uma técnica de idéias em grupo que envolve a contribuição espontânea de todos os participantes. Soluções criativas e inovadoras para os problemas, rompendo com paradigmas estabelecidos, são alcançadas com a utilização de Brainstorming. O clima de envolvimento e motivação gerado pelo Brainstorming assegura melhor qualidade nas decisões tomadas pelo grupo, maior comprometimento com a ação e um sentimento de responsabilidade compartilhado por todos.

Quem o utiliza?

Todas as pessoas da empresa podem utilizar essa ferramenta, devido à sua facilidade. Porém o sucesso da aplicação do Brainstorming é seguir as regras, em especial a condução do processo, que deve ser feita por uma única pessoa.

Quando?

O Brainstorming é usado para gerar um grande número de idéias em curto período de tempo. Pode ser aplicado em qualquer etapa do processo de solução de problemas, sendo fundamental na identificação e na seleção das questões a serem tratadas e na geração de possíveis soluções. Mostra-se muito útil quando se deseja a participação de todo grupo.

Por quê?

Focaliza a atenção do usuário no aspecto mais importante do problema. Exercita o raciocínio para englobar vários ângulos de uma situação ou de sua melhoria. Serve com “lubrificante” num processo de solução de problemas, especialmente se: 1. as causas do problema são difíceis de identificar; 2. a direção a seguir ou opções para a solução do problema não são aparentes.

Tipos de Brainstorming

• estruturado: Nessa forma, todas as pessoas do grupo devem dar uma idéia a cada rodada ou “passar” até que chegue sua próxima vez. Isso geralmente obriga até mesmo o tímido a participar, mas pode também criar certa pressão sobre a pessoa. • não-estruturado: Nessa forma, os membros do grupo simplesmente dão as idéias conforme elas surgem em suas mentes. Isso tende a criar uma atmosfera mais relaxada, mas também há o risco de dominação pelos participantes mais extrovertidos.

Atualizado em Agosto de 2005. 1

Regras do Brainstorming

1. Enfatizar a quantidade e não a qualidade das idéias; 2. Evitar críticas, avaliações ou julgamentos sobre as idéias; 3. Apresentar as idéias tais como elas surgem na cabeça, sem rodeios, elaborações ou maiores considerações. Não deve haver medo de “dizer bobagem”. As idéias consideradas “loucas” podem oferecer conexões para outras mais criativas; 4. Estimular todas as idéias, por mais “malucas” que possam parecer; 5. “Pegar carona” nas idéias dos outros, criando a partir delas; 6. Escrever as palavras do participante. Não interpretá-las.

Como usar o Brainstorming

As etapas básicas de uma sessão de Brainstorming são as seguintes: Etapa Método Dicas para a condução

1) Introdução - Inicie a sessão esclarecendo os seus objetivos, a questão ou o problema a ser discutido.

- Crie um clima descontraído e agradável. -Esteja certo de que todos entenderam a questão a ser tratada. - Redefina o problema, se necessário.

2) Geração de idéias

- Dê um tempo para que pensem no problema. - Solicite, em seqüência, uma idéia a cada participante, registrando-a no flip chart. - Caso um participante não tenha nada a contribuir, deverá dizer simplesmente "passo". Na próxima rodada, essa pessoa poderá dar uma idéia. São feitas rodadas consecutivas até que ninguém tenha mais nada a acrescentar.

- Não se esqueça de que todas as idéias são importantes, evite avaliações. - Incentive o grupo a dar o maior número de idéias. - Mantenha um ritmo rápido na coleta e no registro das idéias. - Registre as idéias da forma como forem ditas.

3) Revisão da lista

- Pergunte se alguém tem alguma dúvida e, se for o caso, peça à pessoa que a gerou para esclarecê-la.

- O objetivo dessa etapa é esclarecer e não julgar.

4) Análise e seleção

- Leve o grupo a discutir as idéias e a escolher aquelas que vale a pena considerar. - Utilize o consenso nessa seleção preliminar do problema ou da solução.

- Idéias semelhantes devem ser agrupadas; idéias sem importância ou impossíveis devem ser descartadas. - Cuide para que não haja monopolização ou imposição de algum participante.

5) Ordenação das idéias

- Solicite que sejam analisadas as idéias que permaneceram na lista. - Promova a priorização das idéias, solicitando, a cada participante, que escolha as três mais importantes.

- A votação deve ser usada apenas quando o consenso não for possível.

* Quadro retirado do Programa SEBRAE de Qualidade Total.

Atualizado em Agosto de 2005. 2

4Q1POC

O que é e como Usar

Para auxiliá-lo no planejamento das ações que for desenvolver, você poderá utilizar um quadro chamado 4Q1POC.

Esse quadro é uma ferramenta utilizada para planejar a implementação de uma solução, sendo elaborado em resposta as questões a seguir: • O QUE: Qual ação vai ser desenvolvida?

• QUANDO: Quando a ação será realizada?

• POR QUE: Por que foi definida esta solução (resultado esperado)?

• COMO: Como a ação vai ser implementada (passos da ação)?

• QUEM: Quem será o responsável pela sua implantação?

• QUANTO: Quanto será gasto?

Utilizando esse quadro você visualiza a solução adequada de um problema, com possibilidades de acompanhamento da execução de uma ação. Lembre-se: Quando for usar o quadro, defina qual a ação a ser implementada. (Destacar) Veja como fica um quadro para ser preenchido e ainda uma dica bem interessante de como enriquecer o Dia do Lançamento do Programa D-Olho na Qualidade. Este é o modelo do quadro 4Q1POC, defina uma ação que você aplicaria em sua organização e preencha o quadro, respondendo às questões de cada coluna.

Ação:
Responsável Geral:

PLANO DE AÇÃO Atualizado em Agosto de 2005. 3

Diagrama de Causa e Efeito (Espinha de Peixe / Diagrama de Ishikawa)

O que é

O Diagrama de Causa e Efeito (ou Espinha de peixe) é uma técnica largamente utilizada, que mostra a relação entre um efeito e as possíveis causas que podem estar contribuindo para que ele ocorra.

Construído com a aparência de uma espinha de peixe, essa ferramenta foi aplicada, pela primeira vez, em 1953, no Japão, pelo professor da Universidade de Tóquio, Kaoru Ishikawa, para sintetizar as opiniões de engenheiros de uma fábrica quando estes discutem problemas de qualidade.

Use Para Visualizar, em conjunto, as causas principais e secundárias de um problema.

Ampliar a visão das possíveis causas de um problema, enriquecendo a sua análise e a identificação de soluções.

Analisar processos em busca de melhorias.

Como Construir Estabeleça claramente o problema (efeito) a ser analisado.

Desenhe uma seta horizontal apontando para a direita e escreva o problema no interior de um retângulo localizado na ponta da seta.

Faça um brainstorming (veja na página 01 deste Guia) para identificar o maior número possível de causas que possam estar contribuindo para gerar o problema, perguntando “Por que isto está acontecendo?”.

Agrupe as causas em categorias. Uma forma muita utilizada de agrupamento é o 4M: Máquina, Mão-de-obra, Método e Materiais (mas você poderá agrupar como achar melhor).

Atualizado em Agosto de 2005. 4

Para melhor compreensão do problema, busque as sub-causas das causas já identificadas ou faça outros diagramas de causa e efeito para cada uma das causas encontradas. Neste caso, seriam encontradas as causas das causas.

EXEMPLO de Diagrama de Causa e Efeito:

Utilize o modelo da página a seguir para montar o seu diagrama.

Mão-de-Obra Máquina CAUSA CAUSA

Desmotivação

Camisas com Defeito

MaterialMétodo

Erro na costura

Fadiga

Falta não- qualificação

Falta de treinamento

Maq.de costura c/defeito Falta de manutenção

Corrente Gasta

Tesoura pequena

EFEITO No. excessivo de pessoal no corte

Má qualidade da linha

SUB-CAUSA Molde com defeito Tecido inadequado

Atualizado em Agosto de 2005. 5

MANUAL DE FERRAMENTAS DA QUALIDADE Diagrama de Causa e Efeito (Modelo):

Mão-de-Obra

CAUSA Máquina CAUSA

Método Material Atualizado em Agosto de 2005. 6

O que é Representação gráfica da seqüência de atividades de um processo.

Além da seqüência das atividades, o fluxograma mostra o que é realizado em cada etapa, os materiais ou serviços que entram e saem do processo, as decisões que devem ser tomadas e as pessoas envolvidas (cadeia cliente/fornecedor).

O fluxograma torna mais fácil a análise de um processo à identificação: • das entradas e de seus fornecedores;

Símbolos

O fluxograma utiliza um conjunto de símbolos para representar as etapas do processo, as pessoas ou os setores envolvidos, a seqüência das operações e a circulação dos dados e dos documentos. Os símbolos mais comumente utilizados são os seguintes:

Operação: Indica uma etapa do processo. A etapa e quem a executa são registrados no interior do retângulo.

Decisão: Indica o ponto em que a decisão deve ser tomada. A questão é escrita dentro do losango, duas setas, saindo do losango mostram a direção do processo em função da resposta (geralmente as respostas são SIM e NÃO).

Sentido do fluxo: Indica o sentido e a seqüência das etapas do processo. Limites: Indica o início e o fim do processo.

Use para Entender um processo e identificar oportunidades de melhoria (situação atual). Desenhar um novo processo, já incorporando as melhorias (situação desejada). Facilitara comunicação entre as pessoas envolvidas no mesmo processo. Disseminar informações sobre o processo.

Atualizado em Agosto de 2005. 7

Como usar

Defina o processo a ser desenhado. Escolha um processo que crie o produto ou o serviço mais importante, do ponto de vista do cliente.

Elabore um macrofluxo do processo, identificando os seus grandes blocos de atividades.

Monte, para a elaboração do fluxograma, um grupo, composto pelas pessoas envolvidas nas atividades do processo.

Detalhe as etapas do processo e descreva as atividades e os produtos ou os serviços que compõem cada uma delas.

Identifique os responsáveis pela realização de cada atividade identificada.

Cheque se o fluxograma desenhado corresponde à forma como o processo é executado e faça correções, se necessário.

Exemplo de Fluxograma:

Atualizado em Agosto de 2005. 8

Processo: Atendimento ao Cliente – Restaurante. INÍCIO

Entra no restaurante e pede uma mesa

RECEPCIONISTA Entrega senha e encaminha cliente ao bar

Aguarda Mesa

Mesa disponível? NÃO

RECEPCIONISTA Encaminha o cliente à mesa

RECEPCIONISTA Mesa é disponibilizada

CLIENTE Analisa o cardápio e faz o pedido

Registra e encaminha o pedido

Atualizado em Agosto de 2005. 9

O Que são

Instrumentos utilizados para visualizar dados numéricos, facilitando o entendimento do significado dos números.

Use para

Analisar as tendências, as seqüências e as comparações entre duas variáveis. Tornar mais evidente e compreensível a apresentação de dados.

Como Construir Decida o que você quer analisar ou mostrar por meio dos gráficos. Colete ou reúna os dados a serem mostrados no gráfico.

Defina qual forma de gráfico será utilizada. Veja os tipos de gráfico descritos adiante. Identifique a amplitude numérica (o maior e o menor número) de cada uma das variáveis.

Desenhe um eixo vertical e um horizontal marcando uma escala numérica em cada um deles. Tais eixos deverão ser iguais ou maiores que a amplitude numérica dos eventos a considerar.

Marque os dados sobre os eixos. Complete o gráfico com título e data, legenda e notas, se necessário.

Atualizado em Agosto de 2005. 10

Gráfico de linha:

Demonstra o relacionamento entre dois eventos. Uma variável é marcada do eixo horizontal e a outra, no eixo vertical.

Exemplo: Relação Preço X Quantidade Vendida Produto

Qtde Vendida 0

Preço de Venda em R$

Fonte: Departamento Financeiro Atualizado em Agosto de 2005. 1

Gráfico de Tempo:

Utilizado para mostrar a variação de um evento ao longo de um período de tempo e os intervalos de tempo no eixo horizontal.

Exemplo: Faturamento no período de Janeiro a Maio de 20XX

Jan Fev Mar Abr Maio

Meses 0

30 Mil R$

Fonte: Departamento Financeiro Atualizado em Agosto de 2005. 12

Gráfico de Barras:

Semelhante ao gráfico de linha, exceto por ser formado por barras paralelas, usualmente verticais, que mostram o relacionamento entre duas variáveis. Freqüentemente, são utilizados com a variável tempo no eixo horizontal.

Quantidade de peças produzidas no período de Julho a Dezembro de 20XX.

Jul Ago Set Out Nov Dez

Peças Produzidas

Atualizado em Agosto de 2005. 13

Gráfico Circular ou de Pizza:

Usado para mostrar o relacionamento de cada uma das partes com o todo. Enquanto os gráficos de tempo e os gráficos de barras mostram com que freqüência e em que medida ocorre uma situação, os gráficos circulares exibem como cada uma das partes contribui para o produto ou processo total. O gráfico circular apresenta o quadro total, sendo considerado igual a 100%.

Todos os itens incluídos devem, portanto, totalizar 100%

Participação dos Produtos A, B e C nas Vendas Totais da Empresa.

A - 2%

B - 30% C - 48%

Fonte: Área Comercial.

Atualizado em Agosto de 2005. 14

O que é

Uma lista de itens pré estabelecidos que serão marcados a partir do momento que forem realizados ou avaliados.

Use para

A Lista de Verificação Simples é usada para a certificação de que os passos ou itens pré estabelecidos foram cumpridos ou para avaliar em que nível eles estão.

Como usar

Determine exatamente quais os itens que precisam ser verificados, como a ordem de uma tarefa, pontos que devem ser verificados.

Monte um formulário onde a pessoa que for preencher possa marcar um “X” ao lado item verificado ou no critério estabelecido de avaliação (exemplo: ruim, regular, bom e excelente).

Atualizado em Agosto de 2005. 15

Exemplo de Lista de Verificação Simples:

Objetivo: Avaliar a “Ordem Mantida” na implantação do programa 5Ss na empresa.

Marque com um “X” na resposta correspondente ao item.

Lista de verificação – Ordem Mantida Como está a Ordem Mantida Nunca Na maioria das vezes Sempre

As tarefas estão sendo executadas conforme o determinado?
Todos observam e cumprem as normas da empresa?

Todos deixam o local de trabalho em ordem?

máquinas e os demais equipamentos?
Todos colaboram para a manutenção da “Ordem Mantida”?
Os prazos estão sendo cumpridos?
Os horários são obedecidos?

Todos usam corretamente os uniformes, as ferramentas, as

legais?
Os materiais estão sendo guardados corretamente?
O que é combinado em reunião é cumprido?
Os planos de trabalho são cumpridos?
As pessoas têm demonstrado interesse em aprender coisas novas?
As pessoas respeitam as normas de segurança?
Existe respeito entre os colegas?

Nossos produtos e serviços respeitam as normas e as exigências Atualizado em Agosto de 2005. 16

O que é

A Lista de Verificação de Freqüência é usada para determinar quantas vezes ocorre um evento ao longo de um período de tempo determinado.

Neste instrumento, podem ser colhidas informações dos eventos que estão acontecendo ou daqueles que já aconteceram.

Embora a finalidade da Lista de Verificação de Freqüência seja o acompanhamento de dados e não a sua análise, ela normalmente indica qual é o problema e permite observar, entre outros, os seguintes aspectos: - número de vezes em que alguma coisa acontece;

- custo de uma determinada operação ao longo de um certo período de tempo;

- impacto de uma ação ao longo de um dado período de tempo.

Use para

Registrar informações sobre o desempenho de um processo e acompanhar defeitos em itens ou processos.

Como usar Determine exatamente o que deve ser observado. Defina o período durante o qual os dados serão coletados. Construa um formulário simples e de fácil manuseio para anotar os dados. Faça a coleta de dados, registrando a freqüência de cada item que é observado. Some a freqüência de cada item e registre na coluna Total.

(Parte 1 de 2)

Comentários