O perfil criminal dos serial killers

O perfil criminal dos serial killers

(Parte 1 de 8)

O PERFIL CRIMINAL DOS SERIAL KILLERS Camila Tersariol Vellasques

Presidente Prudente/SP 2008

O PERFIL CRIMINAL DOS SERIAL KILLERS Camila Tersariol Vellasques

Monografia apresentada como requisito parcial de Conclusão de Curso para obtenção do grau de Bacharel em Direito, sob orientação do Prof. José Hamilton do Amaral.

Presidente Prudente/SP 2008

O Perfil Criminal dos Serial Killers

Trabalho de Monografia aprovado como requisito parcial para a obtenção do Grau de Bacharel em Direito.

José Hamilton do Amaral

Claúdio José Palma Sanchez Marivaldo Gouveia

Presidente Prudente, _ de novembro de 2008.

Se Deus criou as pessoas para amar, e as coisas para cuidar, por que amamos as coisas e usamos as pessoas?

Bob Marley

Dedico este trabalho aos meus pais Arnaldo e Amélia, luzes da minha vida.

Agradeço principalmente aos meus pais, que apesar das diversas dificuldades enfrentadas, possibilitaram-me a essa experiência grandiosa, que é a formação superior, que mesmo distantes, estiveram ao meu lado ajudando a superar angustias, medos, preocupações, desafios que surgiram ao longo dessa fase tão importante da minha vida.

Ao meu irmão Diego, que me acompanhou nessa jornada, que foi meu companheiro de estudo, de morada e sempre um ajudando ao outro, assim amenizando a ausência da família.

Aos meus avós, que torcem por mim.

Ao meu orientador, professor José Hamilton do Amaral, pelo conhecimento dado, pela atenção, pela experiência e pelas aulas inesquecíveis.

A professora Gilmara Pesquero Fernandes Mohr Funes, que mais do que professora, é uma amiga, com quem sempre pude contar.

Aos meus amigos de classe, por todos esses anos, superando sempre unidos, todos os obstáculos, compartilhando as alegrias, tristezas, fazendo com que esses cinco anos sejam inesquecíveis.

Aos meus amigos Emerson, Elenise, Adriana, Andressa, Bruna, Cíntia, Jucilaine,

Juliana, Letícia, Lídia e Priscilla pelo apoio e companheirismo.

Aos professores Claúdio José Palma Sanchez e Marivaldo Gouveia, que aceitaram meu convite.

Obrigada meu Deus!

O presente trabalho teve como objetivo analisar os temidos serial killers, assassinos que, apesar de não serem um problema recente, são há pouco tempo estudados. Não há como especificar uma única causa para um indivíduo tornar-se um assassino em série, eis aí, a dificuldade para se traçar um perfil criminal. Porém, a partir da integração da polícia com especialistas em ciência forense, psicólogos, psiquiatras, entre outros, é possível a elaboração de um perfil criminal, que junto com o trabalho da polícia, é muito importante para solucionar os crimes e evitar que mais crimes sejam cometidos. O trabalho fez uma abordagem histórica, com a finalidade de demonstrar o quanto é antigo os crimes praticados por serial killers; trouxe definições, classificações e explicou a diferença que existe entre assassinos em série e outros tipos de assassinos; fez uma breve abordagem sobre transtorno de personalidade psicopática; explicou várias características dos serial killers e a importância de se desenvolver métodos voltados para a investigação desses crimes, mostrando a deficiência do Brasil para solucionar esses casos. Por último, levantouse a questão da possibilidade de ressocialização desses indivíduos. Foram utilizadas para a sua elaboração doutrinas, pesquisas na internet, textos bibliográficos, notícias veiculadas pela imprensa, além de seguir do método dedutivo para o arremate e desenvolvimento do trabalho.

Palavras-chave: Serial killers. Psicopatia. Perfil Criminal. Investigação. Ressocialização.

The purpose of this present project was to analyse the frightening serial killers, murderers that, despite of not been a current problem, they have recently been studied. There isn’t a way to specify one single cause for an individual to became a serial murderer, because of that, it is difficult to describe a criminal profile. However, as of the integration of the police with forensic science experts, psychologists, psychiatrists, among others, it is possible to elaborate a criminal profile, that along with the police work, it is indispensable for solving the crimes and avoiding more crimes to occur. This study has a historical approach, with the goal of demonstrating how old are the crimes commited by the serial killers; brought definitions, assortments and explained the difference between serial killers and other types of muderers; have done a brief approach about the personality psychopath disturb; explained many features of the serial killers and the importancy of building up methods that focus on the investigation of these crimes, showing the liability in brazil about solving them. Finally, brought up the question about the possibility of resocializing those individuals. It has been used for it’s elaboration, doctrines, research on internet, bibliographic scripts, news thrown by the press, and also deductive system for the conclusion and development of this study.

Keywords: Serial Killers. Psychopath. Criminal Profile. Investigation. Resocialize.

BEA - Behavioural Evidence Analysys DNA - Deoxyribonucleic acid FBI - Federal Bureau of Investigation EUA - Estados Unidos da América VICAP - Program of Apprehension of Violent Criminals

Escola Positiva25
QUADRO 2 - Comparação entre os serial killers organizados e desorganizados47

QUADROS QUADRO 1 - Confronto entre os princípios da Escola Clássica e os Princípios da

FOTO 1 - Foto de Jeffrey Dahmer72
FOTO 2 - Foto das vítimas de Jeffrey Dahmer72
FOTO 3 - Foto das vítimas de Jefrey Dahme72
FOTO 4 - Foto de Ted Bundy74
FOTO 5 - Foto de Andrei Chikatilo76
FOTO 6 - Ed Gein78
1. INTRODUÇÃO12
2. HISTÓRICO15
3 SERIAL KILLER18
3.1 Conceito18
3.2 Serial Killer, Assassino em Massa e Matadores ao Acaso20
4 ESCOLAS DOUTRINÁRIAS: ABORDAGEM GERAL2
4.1 Escola Clássica2
4.2 Escola Positiva23
4.3 Terza Escola26
5 TRANSTORNO DE PERSONALIDADE27
5.1 Introdução27
5.2 Personalidade Psicopática28
5.3 Personalidade psicopática e personalidade delinqüente29
5.4 Principais sintomas29
5.4.1 Encanto superficial e manipulação29
5.4.2 Mentiras e comportamento fantasioso30
5.4.3 Ausência de sentimentos afetuosos30
5.4.4 Amoralidade30
5.4.5 Impulsividade30
5.4.6 Incorrigibilidade31
5.4.7 Falta de adaptação social31
5.5 Classificação31
5.5.1 Psicopatas hipertímicos31
5.5.2 Psicopatas depressivos32
5.5.3 Psicopatas lábeis32
5.5.4 Psicopatas explosivos32
5.5.5 Psicopatas de instintividade débil32
5.5.6 Psicopatas amorais3
5.5.7 Psicopatas carentes de afeto3
5.5.8 Psicopatas fanáticos3
5.5.9 Psicopatas inseguros de si mesmos34
5.5.10 Psicopatas astênicos34
5.5.1 Psicopata carente de princípios34
5.5.12 Psicopata malévolo35
5.5.13 Psicopata dissimulado35
5.5.14 Psicopata ambicioso36
5.6 Psicopatas e serial killers36
6. CARACTERÍSTICAS DOS SERIAL KILLERS38
6.1.2 Missionários38
6.1.3 Emotivos38
6.2 Fases39
6.3 A vítima do serial killer39
6.4 Aspectos Psicológicos40
6.5 Aspectos gerais41
6.5.1 Controle41
6.5.2 Dissociação42
6.5.3 Empatia43
6.5.4 Abuso na infância43
6.5.5 Serial killers organizados e desorganizados46
6.5.6 Parafilia48
6.5.7 Assassinatos médicos49
6.5.8 Serial Killers mulheres49
6.6 Análise da cena do crime50
6.6.1 Modus Operandi50
6.6.2 Assinatura50
7. PSICOLOGIA INVESTIGATIVA52
7.1 Investigação do FBI52
7.2 Método de David Canter53
7.3 Método de Brent Turvey5
8. SERIAL KILLER NO BRASIL57
9. A IMPORTÂNCIA DO PERFIL CRIMINAL59
10. RESSOCIALIZAÇÃO61
1. CONCLUSÃO63
BIBLIOGRAFIA65

1. INTRODUÇÃO

Eu fiz tudo isso por mim. Puramente egoísta. Adorei a arte e ato da morte repetidamente. Simples assim. Depois foi tudo confusão sexual, simbolismo, exaltação do “caído”. Eu estava exaltando a mim mesmo. Odiei a decadência e a dissecação. Não houve prazer sádico em matar. Eu os assassinei como eu mesmo gostaria de ser morto, aproveitando a extremidade do próprio ato da morte. Se eu fizesse isso comigo, experimentaria apenas uma vez. Se eu fizesse isso com outros, provaria do ato da morte diversas vezes.

Dennis Andrew Nilsen

O presente tema foi escolhido por se tratar de matéria polêmica, intrigante e atual, sendo importantíssimo seu estudo uma vez que os crimes praticados por serial killers estão crescendo e são cada vez mais misteriosos, confusos, incompreensíveis e violentos, assustando toda a sociedade.

O que levaria um ser humano a cometer assassinatos em série?

Praticar atos tão terríveis? Serem tão agressivos? Há um motivo justificado para esse desvio de caráter? São questões levantadas pela sociedade que, cada vez mais, está aterrorizada com tanta insensibilidade humana.

Os serial killers demonstram sempre uma vontade de correr riscos, sem medo de ameaças e muito menos de serem pegos e punidos. Sempre estão em busca de novas experiências e sensações. Eles desenvolvem uma personalidade para o contato, para parecerem pessoas normais e misturar-se a outros seres humanos, pois se não fosse assim não poderiam viver na sociedade sem serem presos rapidamente.

A dificuldade em conseguir compreender as regras morais e sociais quando criança, a tendência para a agressividade e enfurecimento, juntamente com experiências precoces inadequadas com a infância, proporcionam o desenvolvimento desse tipo de personalidade.

Apesar de ser um tipo de crime que vem crescendo ao longo do tempo e sendo mais discutido nos dias de hoje, há, na história, registros de vários serial killers, como o caso do Jack, o Estripador que cometeu seus crimes no meado de

1888 em Londres, crimes que começaram aparentemente sem motivo e que acabam subitamente, sem solução (característica de alguns dos serial killers).

A pesquisa enfocou a análise do comportamento e características dos serial killers, para que se chegue a um perfil criminal, que é uma arma importantíssima para a investigação, podendo assim entender o comportamento desses criminosos, o que os leva a agir com tamanha crueldade e até mesmo a projetar suas ações futuras, diminuindo a quantidade de suspeitos, impedindo a prática de mais crimes ou solucionando-os.

Nos Estados Unidos, os policias estão bem equipados em relação a essa área. Possuem um programa de computador, o VICAP, que através de um banco de dados, registra os assassinatos, podendo os relacionar com novos fatos. Já no Canadá, a polícia conta com a ajuda do software “Powercase”, que superou o VICAP.

No Brasil, ainda não há um estudo aprofundado sobre o assunto.

Vários casos que só tiveram vítimas como fato concreto, sendo a maioria deles arquivados pela falta de preparo das autoridades que, muitas vezes, deixaram de relacionar um crime ao outro, não acreditando na capacidade intelectual desses assassinos.

Mesmo com a pouca quantidade de serial killers aqui no Brasil, as autoridades deveriam se preocupar com esse tipo de criminoso, devendo contar com a ajuda de profissionais especialistas em Ciências Forenses, já que existem órgãos especializados aqui no país, que dispõem de recursos avançados como impressões digitais, vestígios, química, identificação de armas, sorologia, DNA, entre outros.

Um estudo recente do FBI diz que houve cerca de 400 serial killers nos

Estados Unidos nos últimos cem anos, com aproximadamente 2.526 a 3.860 vítimas, porém não há como saber quantos estão ativos neste momento.

É objetivo, ainda, deste estudo, verificar a possibilidade de ressocialização e adaptação desses criminosos ao meio social, já que muito deles praticam alguns crimes, por algum motivo ou meta, e depois que esta é alcançada, eles encerram suas atividades criminosas.

Neste trabalho, são analisados alguns casos da vida real: os perfis, as cenas dos crimes, o modus operandi, as vítimas de serial killers conhecidos em todo o mundo, abordando-os sob o ponto de vista legal e psicológico.

Assim, frente aos vários aspectos que envolvem esses criminosos, a intenção do trabalho é de entender ou pelo menos clarear a idéia de quem seja um serial killer, o que leva um indivíduo a praticar atos tão perversos e horrendos, e, a partir dessas análises, frisar a importância de chegar a um perfil criminal, que, junto com o trabalho tradicional da polícia, é importantíssimo para a investigação.

15 2. HISTÓRICO

(Parte 1 de 8)

Comentários