Tramento de águas e efluentes

Tramento de águas e efluentes

(Parte 1 de 4)

Tratamento de águas e efluentes industriais

Bruna W. Freiberger

Dison Franco

Marcelo de Alcino

Mateus Guimarães Yara P. Dias

Processos industriais Inorgânicos –2010/01 Engenharia Química

A água pode carregar diversas substâncias tóxicas, além de organismos como vírus e bactérias. Tudo em razão da poluição de rios, córregos, lagos e até mesmo do lençol freático.

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

•Água de Caldeira •Água de Refrigeração

•Água de Incêndio ( água bruta)

•Água Potável

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

PRELIMINAR Remoção de sólidos grosseiros, superiores a 1mm.

PRIMÁRIO Clarificação físico-química. Sedimentação, flotação, coagulação e precipitação química.

SECUNDÁRIO Remoção de matéria orgânica biodegradável. Remoção de N e P.

TERCIÁRIA Melhoria da qualidade dos efluentes. Remoção de cor, turbidez, desinfecção e controle de pH.

ETE e ETA básico

Está dividido nas seguintes etapas físicas:

Gradeamento

Desarenação

Separação de Gordura Decantação

Estação de Tratamento de Efluentes ETA Estação de Tratamento de Água

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

Esta etapa tem principal objetivo de separar objetos de grande e médio porte, através de grades na qual fluxo de água a ser tratada passa.

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

Através da sedimentação os grãos de areia se depositam em uma grande caixa, enquanto a água com material orgânico segue o fluxo.

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

O processo de separação é um processo físico que ocorre por diferença de densidade, sendo normalmente as frações oleosas mais leves recolhidas na superfície. No caso de óleos ou borras oleosas mais densas que a água, esses são sedimentados e removidos por limpeza de fundo do tanque.

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

Separador de gordura

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

A etapa de decantação consiste na remoção de partículas em suspensão mais densas que a água por ação da gravidade.

Para uma maior eficiência, o percurso da água floculada para os decantadores deve ser o menor possível e em condições que evitem a quebra dos flocos ou que impeçam a sedimentação das partículas.

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

Decantador

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

CONTROLE DE pH

Não adianta adicionar reagentes sem que a água apresente alcalinidade. Para a correção da acidez da água, o agente regulador de pH utilizado é o Ca(OH)2 .

A verificação de pH é realizada em amostras de pequenos volumes utilizando indicadores ácido-base.

•Fenolftaleína ponto de viragem alcalina; •Azul de tornassol Ponto de viragem ácida;

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

Floculação é a aglutinação, em flocos, das partículas de um precipitado ou de um sistema coloidal; freqüentemente ocasionada pela alteração do pH do sistema.

Al2(SO4)3eFeCl3

Agentes aglutinantes:

Tanque de floculação TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII

Há um pH em que melhor se dá essa união e conseqüente melhor floculação – “o pH ótimo de floculação”, aprox. 5 e 6.

O descontrole desse pH comprometerá a eficiência do tratamento resultando maior consumo do floculante, menor remoção de cor e turbidez, pior decantação com conseqüente sobrecarga dos filtros, aumentando a alumina residual e até a dissolução completa dos flocos formados.

Chicanas: divisores de fluxo

TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES -PII 2010/01

(Parte 1 de 4)

Comentários