Administração da Produção

Administração da Produção

(Parte 1 de 7)

Curso Cód. 0828 Administração da Produção

3.1 - Planejamento e Controle da Produção; 3.2 - Localização Industrial; 3.3 – Logística; 3.4 – Manutenção; 3.5 - Higiene industrial; 3.6 – Segurança.

3.1 - Planejamento e Controle da Produção

O setor de Planejamento e Controle de Produção de uma empresa é um setor-meio que serve como transformador de informações entre vários setores de uma empresa e tem um papel de conciliador entre aqueles departamentos que eventualmente tenham alguns atritos.

Atualmente, onde a tecnologia está bastante disseminada, qualquer inovação desencadeia um espantoso e infindável leque de outras inovações que são amplamente testadas até que possam ser aplicadas com confiabilidade pelos administradores das empresas modernas. Administrar, nos dias de hoje, é algo onde os riscos são muito menores que antigamente, porém a responsabilidade se redobra exatamente pela existência de todo o aparato tecnológico que cerca uma decisão administrativa.

No planejamento e controle da produção foi desenvolvida uma série de diversas técnicas de Administração nas últimas décadas; e da sua correta aplicação, em conjunto com a indispensável capacidade empresarial do administrador moderno, depende o sucesso do mundo contemporâneo no que concerne ao atendimento das necessidades materiais da humanidade.

Vamos neste trabalho abordar o Planejamento e Controle da Produção de uma forma simples e objetiva, visando facilitar a compreensão.

O objetivo do planejamento e controle é garantir que a produção ocorra eficazmente e produza produtos e serviços como deve. Isto requer que os recursos produtivos estejam disponíveis

• Na quantidade adequada; • No momento adequado; e

Uma forma de caracterizar todas as decisões de planejamento e controle é fazer uma conciliação do potencial da operação de fornecer produtos e serviços com a demanda de seus consumidores.

Embora sejam teoricamente separáveis, o planejamento e controle, são usualmente tratados juntos:

• Planejamento: é o ato de estabelecer as expectativas de o que deveria acontecer; • Controle: é o processo de lidar com mudanças quando elas ocorrem.

TAREFAS DE PLANEJAMENTO E CONTROLE O planejamento e controle requer a conciliação do fornecimento e da demanda:

• Em termos de volume; • Em termos de tempo;

• Em termos de qualidade.

1 - Carregamento

O carregamento define qual a quantidade de trabalho que deve ser alocada a cada parte da produção. Este carregamento pode ser feito de forma finita ou infinita.

O carregamento finito é um conceito que somente aloca trabalho a um centro de trabalho, como por exemplo, uma pessoa, uma máquina, ou então um grupo de pessoas ou de máquinas) até um limite estabelecido. O carregamento finito é relevante para operações em que:

• É possível limitar a carga; • É necessário limitar a carga;

O carregamento infinito tenta corresponder à aceitação do trabalho. O carregamento infinito é relevante para operações em que:

• Não é possível limitar o carregamento; • Não é necessário limitar o carregamento;

2 – Seqüenciamento

O seqüenciamento decide a ordem em que o trabalho será executado na operação. Existem muitas regras de decisão diferentes quanto a prioridades, que podem ajudar as operações a tomar essas decisões.

As prioridades dadas ao trabalho em uma operação são, freqüentemente, estabelecidas por um conjunto predefinido de regras.

3 - Programação A programação determina quando as atividades serão iniciadas e terminadas. A programação pode ser feita tanto para trás como para frente.

A programação também pode ser classificada como programação empurrada e puxada:

• Programação empurrada: é um sistema centralizado em que as decisões de planejamento e controle são emitidas para centros de trabalho, que devem desempenhar suas tarefas e mandar suas peças para a estação de trabalho seguinte;

• Programação puxada: é um sistema no qual a demanda é acionada a partir de requisições de centros de trabalho.

Planejar a produção significa decidir antecipadamente o que deve ser feito para alcançar determinado fim. O planejamento da produção compreende decidir sobre a produção a ser efetivada pela empresa industrial.

Para tanto, nesta fase, deve-se levar em conta:

• Previsão da procura ou demanda dos produtos ou mercadorias; • Previsão dos insumos, da mão-de-obra e dos equipamentos;

• Previsão dos custos decorrentes da alocação dos recursos materiais e humanos descritos.

a) A Previsão De Vendas

O planejamento das vendas é indispensável para o planejamento da produção eficaz. É em função das previsões de vendas que se elabora os planos de fabricação e, conseqüentemente, se determina o volume de recursos necessários para os próximos períodos. Contudo, é muito difícil fazer previsões com uma grande margem de acerto, porque são inúmeros os fatores que influenciam no comportamento da demanda. A previsão de vendas é basicamente uma função mercadológica, onde se faz uma pesquisa de mercado para se determinar a demanda.

b) Determinação Dos Fatores De Produção

O ponto de partida do planejamento da produção é a previsão de vendas. Uma vez realizada a previsão de vendas, é preciso determinar as quantidades dos diversos fatores de produção, necessários para atender as vendas, caso se concretizem. Os fatores necessários à produção industrial são:

1. Máquinas; 2. Equipamentos; 3. Materiais; e 4. Mão-de-obra (terra, capital e trabalho).

Imaginamos uma fábrica de alfinetes, que tem a previsão de produzir 1 milhão de unidades mensais. O primeiro passo é determinar as quantidades necessárias de cada fator de produção necessárias para produzir uma unidade. Após isso, é possível determinar quais os profissionais que devem atuar no processo produtivo, o tempo de trabalho de cada um deles em cada atividade e a seqüência lógica e racional das operações.

c) Tempo De Ressuprimento

O tempo de ressuprimento determina o momento mais conveniente de se iniciar a fabricação de um produto ou de fazer um pedido de compra junto ao fornecedor.

O tempo de ressuprimento é o tempo despendido entre o momento que se identifica a necessidade do material e o momento em que efetivamente se recebe esse material para uso.

Entre esses dois momentos podem existir diversas etapas do ressuprimento, tais como a confecção do pedido, negociação do preço, fabricação do produto, inspeção do produto e expedição, transporte, recebimento e controle de qualidade.

d) Ponto De Ressuprimento

À medida que o estoque de um material vai sendo consumido, surge a necessidade de se fazer um novo pedido ao fornecedor para ressupri-lo, antes que venha a ocorrer uma ruptura no estoque. Assim, se faz necessário descobrir o momento em que todo o esquema de ressuprimento vai ser acionado.

e) Controle De Estoques

O estoque existe em operações produtivas porque os ritmos de fornecimento e de demanda nem sempre casam. Os estoques são usados para uniformizar as diferenças entre fornecimento e demanda.

Todas as operações mantêm estoques de algum tipo. Os itens mantidos em estoque irão variar consideravelmente em valor. As operações com os serviços profissionais manterão níveis baixos de estoque, enquanto as operações de varejo irão manter grandes quantidades de estoque.

Quanto ao planejamento e controle do estoque, as principais decisões a serem tomadas são:

• Quanto pedir cada vez que um pedido de reabastecimento é colocado; • Quando pedir o reabastecimento de estoques;

• Como controlar o sistema de planejamento e controle de estoques.

O estoque é usualmente gerenciado através de sistemas computadorizados, que têm algumas funções, como atualização dos registros de estoque, geração de pedidos, geração de relatórios de estoque, previsão de demanda etc.

O controle da produção tem por finalidade verificar se o que foi planejado está sendo realmente executado; daí a necessidade de um perfeito trabalho de acompanhamento de todas as operações industriais.

Compete ao controle de produção acusar as falhas e distorções e estabelecer as medidas corretivas, visando à normalidade do processo produtivo. Para tanto, o retorno de informações (feedback) constitui prática salutar para a normalidade do processo.

O controle de produção deve responder às seguintes questões:

• Os insumos de produção estão sendo entregues dentro dos prazos certos? • A mão-de-obra está sendo realmente empregada?

• Os equipamentos de produção são adequados e estão sendo utilizados eficientemente?

• Os estoques de produtos acabados (ou semi-acabados) estão em níveis planejados?

• O rítmo de produção está sendo desenvolvido de acordo com o planejamento? a) Relação Custo X Benefício Do Controle

Embora aparentemente todos os controles sejam imprescindíveis, na prática nem sempre isto é verdade. Antes de se implantar um novo controle, é recomendável verificar se os seus custos não serão superiores aos benefícios. Embora seja raro, existem casos em que se pode mensurar tanto os custos como os benefícios de um controle, mas geralmente a decisão sobre a viabilidade ou inviabilidade vai depender da sensibilidade do administrador.

b) Sistema De Controle

O sistema de controle é constituído por um conjunto de regras preestabelecidas que permitem o exercício do controle, ele deve conter os seguintes elementos:

1 - Um plano

O controle só é possível quando existe um plano. Se não existiu o plano como saberia o que deveria estar sendo feito?

2 - Regras e dispositivos para medir o realizado

Somente através de dispositivos e regras bem definidos é possível efetuar a medição dos eventos realizados, para posterior confronto com o planejado. Um bom instrumento para essa medição são as ordens de produção, que, com suas regras bem definidas, servem como excelentes centralizadoras de informações relativas a prazos, custos, quantidades, tempos e eficiência.

3 - Instrumentos de controle

As empresas modernas dispõem dos mais diversos tipos de controles, que vão desde a observação visual até os sofisticados controle mecanizados.

A informática trouxe os sistemas informatizados, que geram relatórios com gráficos e informações gerenciais sobre orçamentos, análise de operações etc., tornando a tomada de decisões mais rápida e eficiente.

c) Controle De Custos

O objetivo de uma empresa é vender seu produto por um preço que cubra seus custos e lhe dê algum lucro.

Controlar custos no processo produtivo pressupõe controlar todos os fatores geradores de gastos, como os salários, insumos e todos os recursos necessários à existência e o funcionamento da empresa.

É necessário fazermos uma distinção entre custo e despesa:

• Custo é todo gasto que está diretamente relacionado ao processo produtivo; • Despesa é todo gasto relacionado à administração, às vendas e aos financiamentos.

Até o momento em que os produtos estão prontos para a venda, os gastos são custos, e daí para a frente passam a ser despesas.

d) Controle De Qualidade

O controle de qualidade tem por finalidade principal determinar as causas relevantes de variações de qualidade. Às vezes, as causas são chamadas “acidentais”, não provocando maiores conseqüências, porquanto as variações são insignificantes na qualidade do produto.

A qualidade de um produto ou serviço é medida pela satisfação total do consumidor. Não se pode confundir qualidade com luxo: um automóvel luxuoso pode ser de péssima qualidade e um simples pode ter ótima qualidade.

A globalização da economia, o aumento da competitividade e as estratégias empresariais levam as empresas a alcançarem níveis de excelência, principalmente em relação aos seus clientes. As linhas de ações que as empresas aplicam hoje começam a convergir para um foco único, conquistar: satisfazer e manter clientes, fazendo as coisas certas e com qualidade.

A qualidade total no atendimento ao cliente ocorre quando a empresa enfoca seus esforços em serviços com qualidade, fazendo conscientemente a escolha em investir na satisfação do cliente e em tornar isso a meta da empresa.

Algumas técnicas para satisfação do cliente envolvem dedicação de tempo dos administradores, enquanto que outros enfocam na monitoração extensiva das necessidades e atitudes dos clientes.

O atendimento à necessidade do cliente produz recompensas reais para a empresa em termos de imagem da empresa e lealdade dos clientes, que retornam, muitas vezes, porque já conhecem a qualidade, confiam nas pessoas que trabalham e sabem que obtém serviços consistentes.

- Círculo de controle de qualidade (CCQ)

O CCQ é a organização de pequenos grupos de pessoas (5 a 12), devidamente treinados, que normalmente trabalham em conjunto para prever e resolver vários problemas associados ao seu ambiente de trabalho.

O raciocínio para se referir à viabilidade da idéia é simples, pois as pesquisas revelam que os funcionários de uma empresa conhecem cerca de 70% dos problemas dela. Assim, quando devidamente treinados, motivados e conscientizados, esses funcionários poderão solucionar grande parte desses problemas ou fazer melhoramentos que evitem a reincidência dos mesmos.

Resultados positivos do CCQ

• Aumento da qualidade;

• Aumento da produtividade e da eficiência;

• Criação de um ambiente de confiança e otimismo;

• Participação ativa e consciente dos funcionários nas decisões, melhorias e soluções de problemas;

• Maior aceitação das mudanças;

• Maior conhecimento e visão da organização como um todo e dos sistemas de trabalho;

• Lealdade e identificação para com a empresa e seus objetivos;

• Aparecimento de novas lideranças de maior capacidade técnica, administrativa e motivacional.

e) Just In Time (JIT)

O Just in Time (JIT) surgiu no Japão, nos meados da década de 70, sendo sua idéia básica e seu desenvolvimento creditados à Toyota Motor Company, a qual buscava um sistema de administração que pudesse coordenar a produção com a demanda específica de diferentes modelos e cores de veículos com o mínimo atraso.

O sistema de "puxar" a produção a partir da demanda, produzindo em cada somente os itens necessários, nas quantidades necessárias e no momento necessário, ficou conhecido no Ocidente como “Sistema Kanban”. Este nome é dado aos cartões utilizados para autorizar a produção e a movimentação de itens, ao longo do processo produtivo.

Contudo, o JIT é muito mais do que uma técnica ou um conjunto de técnicas de administração da produção, sendo considerado como uma completa "filosofia, a qual inclui aspectos de administração de materiais, gestão da qualidade, arranjo físico, projeto do produto, organização do trabalho e gestão de recursos humanos.

Embora haja quem diga que o sucesso do sistema de administração JIT esteja calcado nas características culturais do povo japonês, mais e mais gerentes e acadêmicos têm-se convencido de que esta filosofia é composta de práticas gerenciais que podem ser aplicadas em qualquer parte do mundo.

Algumas expressões são geralmente usadas para traduzir aspectos da filosofia Just in Time:

• Produção em estoque; • Eliminação de desperdícios;

• Esforço contínuo na resolução de problemas;

- Objetivos do JIT

O sistema JIT tem como objetivo fundamental a melhoria contínua do processo produtivo. A perseguição destes objetivos dá-se, através de um mecanismo de redução dos estoques, os quais tendem a camuflar problemas.

(Parte 1 de 7)

Comentários