(Parte 1 de 2)

INFORMAÇÕES BÁSICAS SOBRE DESENHO TÉCNICO

Apostila produzida a partir de contribuições de diversos autores

Lembretes

  • Nunca traçar uma linha voltando para trás

  • Nunca passar a borracha por todo o desenho depois dele terminado

O que é Desenho Técnico

É uma forma deexpressão gráfica que tem por finalidade a representação de forma, dimensão eposição de objetos de acordo com as diferentes necessidades requeridas pelasdiversas modalidades de engenharia e também da arquitetura.Utilizando-se de um conjunto constituído por linhas, números, símbolos e indicações escritas normalizadas internacionalmente, o desenho técnico é definido como linguagem gráfica universal.

O Desenho Técnico permite a leitura e interpretação gráfica do meio tridimensional num meio

Bidimensional.

Diretrizes

  • Normas Técnicas – nacionais e internacionais

  • Sistemas de Projeção – 1º. e 3º. diedros

  • Instrumentos / equipamentos

  • Processos de construção gráfica

A Padronização dos Desenhos Técnicos

Para transformar o desenho técnico em uma linguagem gráfica foi necessário padronizar seus procedimentos de representação gráfica. Essa padronização é feitapor meio de norma técnicas seguidas e respeitadas internacionalmente.

As normas técnicas são resultantes do esforço cooperativo dos interessadosem estabelecer códigos técnicos que regulem relações entre produtores e consumidores, engenheiros, empreiteiros e clientes. Cada país elabora suasnormas técnicas e estas são acatadas em todo o seu território por todos os que estão ligados, direta ou indiretamente, a este setor.

No Brasil as Normas Brasileiras - NB são aprovadas e editadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, fundada em 1940. Para favorecer o desenvolvimento da padronização internacional e facilitar o intercâmbio de produtos e serviços entre as nações, os órgãos responsáveis pela normalização em cada país, reunidos em Londres, criaram em 1947 a Organização Internacional de Normalização (International Organization for Standardization – ISO)

Quando uma norma técnica proposta por qualquer país membro é aprovada por todos os países que compõem a ISO, essa norma é organizada e editada como norma internacional.

As normas técnicas que regulam o desenho técnico são normas editadas pela ABNT, registradas pelo INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) como normas brasileiras - NBR e estão em consonância com as normas internacionais aprovadas pela ISO.

Classificação dos Desenhos (NBR 10209-2:2005 Documentação técnica de produto – Vocabulário)

  1. Quanto ao Grau de Elaboração

  • Esboço – rascunho, estudo preliminar.

  • Croqui – desenho rápido a mão livre co o intuito de expressar graficamente uma idéia.

  • Anteprojeto – desenho de um projeto ainda na fase de análise, podendo sofrer modificação.

  • Desenho definitivo – desenho feito com instrumental de idéias já definidas e aprovadas.

  1. Quanto ao grau de Pormenorização

  • Desenho de componente (quando o objeto a ser representado é unitário)

  • Desenho de conjunto ( objeto constituído por várias partes ou elementos)

  • Detalhe (representação de uma parte específica, de modo a pormenorizar a informação)

Letras e Algarismos (Ref.: NBR 8402/1994)

1) As principais exigências na escrita em desenhos técnicos são a legibilidade, uniformidade e adequação à microfilmagem e a outros processos de reprodução.

 

2) A distância mínima entre caracteres deve corresponder, no mínimo, a duas vezes a largura de linha (espessura do traço) das letras e/ou algarismos. No caso de larguras de linha diferentes, a distância deve corresponder à da linha mais larga.

 

 

3)Para facilitar a escrita, deve ser aplicada a mesma largura de linha para letras maiúsculas e minúsculas.

4)A altura mínima das letras maiúsculas ou minúsculas deve ser de 2,5mm. Na aplicação simultânea de letras maiúsculas e minúsculas, a altura mínima das letras maiúsculas deve ser de 3,5 mm.

5)A escrita pode ser vertical ou inclinada, em um ângulo de 15º para a direita em relação à vertical. 

6)As palavras, os números e os símbolos devem ser colocados de frente para quem observa o desenho pelo lado inferior ou pelo lado direito.

Linhas (Ref.: NBR 8403:1984)

Tipos

  • Espessura: larga e estreita

  • Forma: Contínua (larga e estreita), traço e ponto (larga, estreita), traço e dois pontos (larga, estreita), tracejada (larga, estreita)

Denominação

Aplicação Geral

Contínua larga

 

contornos visíveis;

 

arestas visíveis;

 

margens (das folhas de papel)

 

Contínua estreita

 

linhas de cotas;

 

linhas auxiliares (extensão);

 

linhas de chamada;

 

hachuras;

 

contornos de seções rebatidas na própria vista;

 

linhas de centros curtas.

Contínua estreita a mão livre

limites de vistas ou cortes parciais. 

Contínua estreita em ziguezague

limites de vistas ou cortes parciais confeccionados por máquinas. 

Tracejada larga

 

contornos não visíveis;

arestas não visíveis.

Tracejada estreita

contornos não visíveis. 

Traço e ponto estreita

 

linhas de centro;

 

linhas de simetrias;

 

trajetórias.

 

Traço e ponto estreita, larga nas extremidades e na mudança de direção

planos de cortes.

Traço e ponto larga

 

indicação das linhas ou superfícies com indicação especial.

Traço e dois pontos estreita

 

contornos de peças adjacentes;

posição limite de peças móveis;

 

linhas de centro de gravidade;

 

cantos antes da conformação;

 

detalhes situados antes do plano de corte.

 

Uso

A1 – Contornos e arestas visíveis

B1 – Linha auxiliar, de centro curta

B2 – Linha de cota

B3 – Linha de extensão

B4 – Linha de chamada

B5 – Hachura

B6 – Linha de contorno de seção rebatida sobre a vista

B7 – Linha de simetria

D1 – Linha em ziguezague, de ruptura longa

F1 – Linha de aresta invisível

G1, G2 , G3– Linha de eixo ou simetria

J1 – Linha de trajetória

K1 – Contorno de peças adjacentes ou detalhes situados antes do plano de corte

K2 – Posição limite de peças móveis

1

  1. Cantos antes da conformação

  2. Contornos de peças adjacentes

  3. Detalhes situados antes do Plano de Corte

. 2. 3.

Prioridade das linhas coincidentes

Ordem de prioridade de linhas coincidentes:

Se ocorrer coincidência de duas ou mais linhas de diferentes tipos, devem ser observados os seguintes aspectos, em ordem de prioridade:

a) arestas e contornos visíveis (linha contínua larga);

 

b) arestas e contornos não visíveis (linha tracejada);

c) superfícies de cortes e seções (traço e ponto estreita, larga nas extremidades e na mudança de direção).

 

d) linhas de centro (traço e ponto estreita);

 

e) linhas de centro de gravidade (traço e dois pontos estreita);

f) linhas de cota e auxiliar (linha contínua estreita).

Ao lado, uma aplicação da predominância de linhas:

Na vista superior - a linha contínua, da aresta da superfície superior da peça, predomina sobre a linha tracejada do furo.

Já na lateral esquerda o predomínio da aresta visível é sobre a linha de centro do mesmo furo.

Exemplo abaixo, de interseção de linhas

visíveis e não visíveis

Terminação das linhas de chamada

a. b. c.

As linhas de chamada devem terminar:

a) sem símbolo, se elas conduzem a uma linha de cota;

b) com um ponto, se terminam dentro do objeto representado;

 

c) com uma seta, se elas conduzem e/ou contornam a aresta do objeto representado.

Formato de Papel (Ref.: NBR 10068:1987)

Posição - As folhas de desenho podem ser utilizadas na posição horizontal (formatos A0, A1, A2 e A3) ou vertical (formato A4). Dimensão dos Formatos - Cada folha, na seqüência, possui dimensão igual a metade da folha anterior.

Dimensões (em milímetros) dos formatos de papel e das margens

DESIGNAÇÃO

 

DIMENSÕES (mm)

 

(Largura x Altura)

 

MARGEM (mm)

 

E

SPESSURA

 

DA LINHA (mm)

 

Esquerda

 

Direita

 

Superior

 

Inferior

 

A0

1189 x 841

25

10

10 

10 

1,4 

A1

841 x 594

25 

10 

10

10

1,0

A2

594 x 420

25

7

7

7

0,7

A3 

420 x 297 

25

7

7

0,5

A4

210 x 297

25 

7

0,5

Outros Formatos – Derivações

A norma prevê o uso de outros formatos constituídos por duplicação. Exemplo: um projeto em que se quer uma maior dimensão no sentido horizontal poderá ser usado um formato da série A, duplicado, que possa conter o espaço a ser representado.

A3

(Parte 1 de 2)

Comentários