Metodologia Análise Estruturada

Metodologia Análise Estruturada

(Parte 1 de 8)

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

ANÁLISE ESTRUTURADA

Outubro,2001

ÍNDICE

CAPÍTULO 1

Conceitos Básicos

    1. Introdução 7
    2. Análise de Sistemas 8

    3. Metodologia 8

    4. Processo de Desenvolvimento de Sistemas de Informação 9

    5. Modelo 13

    6. Dimensão de um Modelo 13

    7. Nível de Abstração de um Modelo 13

    8. Modelagem de Sistemas de Informação 13

1.8.1 Modelagem de Sistemas de Informação 13

1.8.2 Níveis de Abstração 14

CAPÍTULO 2

ANÁLISE ESTRUTURADA

2.1 Introdução 15

2.2 Características da Metodologia 15

2.3 Princípios Utilizados na Solução de Problemas 16

2.4 Modelos da Metodologia 16

2.5 Diagrama de Fluxo de Dados (DFD) 17

2.5.1 Processo 17

2.5.2 Fluxo de Dados 18

2.5.3 Depósito de Dados 19

2.5.4 Entidade Externa 20

2.6 Organização de DFD em Níveis 21

2.7 Recomendações para Construção de DFD 22

2.8 Diretivas da Metodologia 22

CAPÍTULO 3

Dicionário de Dados

3.1 Introdução 25

3.2 Organização e Simbologia 25

3.3 Estruturas das Definições 27

3.3.1 Depósitos de Dados, Entidades e Relacionamentos com Atributo 28

3.3.2 Fluxos de Dados e Estruturas de Dados 30

3.3.3 Elementos de Dados 32

CAPÍTULO 4

Português Estruturado

4.1 Introdução 34

4.2 Características da Especificação 34

4.3 Estruturas de Controle 35

4.3.1 Seqüência 35

4.3.2 Seleção 36

4.3.3 Repetição 37

4.4 Formato da Especificação 38

4.5 Exemplos de Especificação em Português Estruturado 39

ÍNDICE DE FIGURAS

Figura 1 – Representação Gráfica de Processo 17

Figura 2 – Representação Gráfica de Fluxo de Dados 18

Figura 3 – Convergência e Divergência de Fluxo de Dados 19

Figura 4 – Representação Gráfica de Fluxo de Dados 19

Figura 5 – Semântica dos Acessos aos Depósitos de Dados 20

Figura 6 – Representação Gráfica de Entidade Externa 20

Figura 7 – DFD Organizado em Níveis Hierárquicos 21

1

CONCEITOS BÁSICOS

    1. Introdução

De uma maneira abrangente, Sistema é definido como “um conjunto de elementos, interrelacionados, que possuem características comuns e que podem ser entendidos como um todo”.

Dessa forma, podemos pensar no “Sistema Solar”, composto de vários elementos como o Sol, os planetas, a força gravitacional, as órbitas, etc. Podemos pensar também em um “Sistema Político” ou um “Sistema Digestivo”.

Os sistemas se dividem em Sistemas Naturais e Sistemas Construídos pelo Homem. Nos sistemas construídos pelo homem podemos identificar claramente o propósito para o qual o sistema foi construído.

Nos sistemas naturais, esse propósito nem sempre é muito claro.

Os sistemas construídos pelo homem podem ser definidos como um conjunto de componentes relacionados entre si, que podem ser vistos como um todo, onde os componentes trabalham juntos na execução de um conjunto de funções para alcançar um propósito. Assim, um sistema tem:

  • Componentes: partes básicas ou elementos que compõem o sistema;

  • Estrutura: maneira como os componentes estão organizados;

  • Comportamento: modificação dos componentes e da estrutura com o passar do tempo;

  • Funções: transformações que o sistema executa; e

  • Propósito: objetivo que o sistema deve alcançar.

Dentre os sistemas construídos pelo homem, existem aqueles onde um dos componentes fundamentais são informações. Esses sistemas, chamados “Sistemas de Informação”, provêem procedimentos para armazenar e tornar disponíveis informações, que são utilizadas em atividades relacionadas a uma organização. Se os sistemas de informação utilizam computadores, eles são denominados “Sistemas de Informação Automatizados”. Esse tipo de sistema é o alvo principal de nosso curso.

    1. Análise de Sistemas

É um processo de comunicação entre Analistas de Sistemas e Usuários do Sistema, com o objetivo de definir o propósito e os requisitos de um sistema de informação. Requisitos de um sistema é o conjunto de características que um sistema deve possuir para atingir seu propósito.

A análise de um sistema é um processo de transmissão de conhecimento. Ela envolve três etapas: o aprendizado; a estruturação e a representação dos requisitos do sistema; e a validação dos requisitos pelos usuários.

Ao longo do processo, o analista enfrenta o desafio de “lidar com a complexidade”, isto é, situações complexas do mundo real devem ser entendidas e representadas de forma simples, para facilitar a compreensão e validação. Requer delimitar a área de estudo, subdividir o todo complexo em partes inteligíveis e de tamanho gerenciável, extrair as características essenciais da realidade e modelar essas características para mostrar o relacionamento entre seus componentes. Pode-se afirmar que complexidade e falta de estrutura caracterizam o ambiente da Análise de Sistemas.

    1. Metodologia

As metodologias são utilizadas para orientar e ordenar o trabalho do analista de sistemas ao longo do processo de desenvolvimento de sistemas.

Uma boa metodologia deve definir o processo de desenvolvimento, possuir modelos para representar abstrações e diretivas para orientação do trabalho.

    1. Processo de Desenvolvimento de Sistemas de Informação

O Processo de Desenvolvimento de Sistemas, também chamado Ciclo de Vida do Sistema, compreende todas as atividades necessárias para definir, desenvolver, testar, operar e manter um sistema.

A definição de um processo de desenvolvimento tem como objetivo:

  • definir as atividades a serem executadas ao longo do projeto;

  • prover pontos de controle; e

  • padronizar o processo de desenvolvimento na organização.

(Parte 1 de 8)

Comentários